Elon Musk ultrapassa Bill Gates e se torna segundo mais rico do mundo

A escalada da fortuna de Elon Musk continua, e o empresário viu seu patrimônio líquido aumentar em US$ 7,2 bilhões na última segunda-feira (23). Agora, o CEO da Tesla e da SpaceX vale US$ 128 bilhões, tomando de Bill Gates o segundo lugar no ranking Bloomberg Billionaires Index.

Na lista, ambos aparecem com o mesmo valor, mas com uma diferença: nos últimos 12 meses, a fortuna do fundador da Microsoft cresceu em US$ 14 bilhões, enquanto o patrimônio de Musk ganhou US$ 100 bilhões no mesmo período. Essa avalanche de dinheiro veio com a valorização das empresas comandadas pelo sul-africano, já que o valor combinado da Tesla e da SpaceX passa dos US$ 500 bilhões.

A capitalização de mercado da montadora de carros elétricos subiu para US$ 498 bilhões na segunda-feira, graças à perspectiva de se juntar ao S&P 500 em dezembro. Musk previu esse crescimento no ano passado, quando a Tesla valia menos do que US$ 45 bilhões. As ações da Tesla subiram 2% no pré-mercado na terça-feira (24), e suas ações subiram quase 730% nos últimos 12 meses.

A Tesla é a montadora mais valiosa do mundo atualmente. Imagem: 

O primeiro da lista da Bloomberg é do dono da Amazon, Jeff Bezos, com um patrimônio estimado em US$ 182 bilhões – mas Musk pode chegar lá. Se o crescimento do valor das ações da Tesla continuar, e a empresa chegar a US$ 650 bilhões até 2028, o empresário pode receber um bônus no valor recorde de US$ 55,8 bilhões.

Além de sua participação de 20% na montadora (a mais valiosa do mundo em seu setor), o patrimônio líquido de Musk inclui suas outras empresas, como o grupo de exploração espacial SpaceX e a empresa de infraestrutura e construção The Boring Company. Por outro lado, o empresário não recebe salário na Tesla e já disse que que não gostaria de possuir bens físicos – ele já vendeu duas de suas mansões na Califórnia.

Via: Business Insider/The Guardian

Esta post foi modificado pela última vez em 24 de novembro de 2020 15:11

Compartilhar
Deixe seu comentário
Publicado por
Renato Mota