EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A fabricante chinesa Realme vai estrar no Brasil em dezembro. A empresa se tornou independente em 2018 e já atingiu a marca de 50 milhões de smartphones distribuídos. No Brasil, como explica Sherry Dong, diretora de marketing da empresa para a América Latina, a ideia “é ser o game changer da indústria de smartphones e popularizar o 5G“.

Em entrevista ao Olhar Digital, a executiva da Realme disse que o plano de lançar a marca no Brasil foi sendo encorpado logo no início de 2020. No entanto, “a pandemia nos fez desacelerar nossos passos”, disse ela. A expectativa da companhia é ser uma das cinco principais marcas da América Latina em cinco anos. No Brasil, ela estima estar entre as três principais no mesmo tempo.

publicidade

“O Brasil sempre foi um mercado-chave, pois tem grande influência em toda a região da América Latina. Entrar neste mercado pode ajudar a Realme a amplificar sua voz e atrair mais atenção para toda a América Latina”, disse Dong.

No terceiro trimestre de 2020, estima a Counterpoint, a Realme cresceu 132% e distribuiu quase 15 milhões de dispositivos. O crescimento da marca foi o mais expressivo entre as concorrentes, e agora ela ocupa a sétima posição no ranking global.

Reprodução

Smartphones da Realme são comercializados também no mercado europeu. Imagem: Realme/Reprodução

publicidade

Foco no público jovem

A Realme vai distribuir seus produtos diretamente no Brasil. De início, eles não serão produzidos localmente. No comunicado de lançamento, a empresa destacou o foco no público jovem. Durante a entrevista, perguntamos se isso tem alguma relação com o fato da marca também ser jovem.

“Sim, é porque somos uma marca jovem. A maioria de nós na Realme tem menos de 30 anos. Como somos jovens, acreditamos que os jovens têm o poder de mudar o mundo”, disse Dong. Ela contou que no início “muitas pessoas duvidaram de como a Realme sobreviveria em uma indústria tão competitiva”.

“Os jovens brasileiros há muito se mostram muito abertos para testar novas tecnologias e o nível de instrução técnica e entusiasmo no país é alto. Com base no feedback nas plataformas sociais, acreditamos que os jovens brasileiros anseiam por um novo jogador”, comentou a executiva.

A Realme nasceu como uma subsidiária da Oppo, outra fabricante chinesa que se tornou popular. No Brasil, a empresa terá uma “equipe localizada e em estreita colaboração com as operadoras locais, parceiros de canal para fornecer produtos mais adequados e experiência premium para nossos consumidores”.

Concorrência com Samsung, Motorola e Xiaomi

Dong diz que a chegada de empresas como Huawei e Xiaomi não teve forte impacto na decisão de estreia no Brasil. Segundo ela, a estratégia da Xiaomi surpreendeu pelo preço alto dos produtos. “As ideias iniciais que a Xiaomi foi fundada são ‘Inovação para todos’. Mas o preço no Brasil é muito mais alto do que em qualquer outro mercado”, afirmou.

Mas, por outro lado, a estreia das outras marcas chinesas fizeram a Realme “ver a grande oportunidade aqui”. “A chegada da Huawei e da Xiaomi simplesmente mostra como o mercado brasileiro é visado por todos os concorrentes.”

Reprodução

Smartphone Realme 5i traz quatro câmeras na traseira e bateria de 5.000 mAh. Imagem: Realme/Reprodução

Mas o objetivo, segundo Dong, “é desafiar a Motorola, como fizemos em muitos mercados. Estamos muito além da Motorola e da LG; em alguns mercados já ultrapassamos a Samsung“. No terceiro trimestre de 2020, a Samsung enviou 79 milhões de smartphones no mundo todo, segundo a Counterpoint.

Quais produtos Realme chegarão ao Brasil?

Dong disse que a Realme vai fazer suspense até o Natal sobre quais produtos e linhas chegarão ao Brasil. Ela promete, no entanto, impressionar o público brasileiro. “A realme personalizou os produtos para atender às demandas do público brasileiro”, comentou. A marca pretende popularizar o 5G, e os primeiros produtos compatíveis chegarão em 2021.

Além de smartphones, a Realme também pretende lançar “mais de 20 produtos AIoT em 2021” no Brasil. Entre os produtos, são esperados modelos de “smart TV, fone de ouvido inteligente, relógio inteligente e alto-falante inteligente”. O fone Realme Buds Q, por exemplo, vem sendo divulgado pela empresa em suas redes sociais e deverá ser lançado por aqui.

De início, a Realme irá concentrar sua estratégia em canais digitais. “Entrando no Brasil agora, a Realme visa principalmente trazer as tendências do 5G”. Em um período estimado de dois a três anos, a marca espera atualizar todos os seus produtos 4G para as redes móveis de quinta geração.