EnglishPortugueseSpanish

Casos de câncer em adolescentes e jovens adultos aumentaram 30% durante as últimas quatro décadas, de acordo com um levantamento feito pela Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia (EUA). O câncer de rim vem crescendo com a maior taxa.

“Adolescentes e adultos jovens são uma população de câncer distinta”, explica o professor de oncologia e ciências de saúde pública, Nicholas Zaorsky. “Mas eles costumam ser agrupados com pacientes pediátricos ou adultos nas pesquisas. É importante estudar como esse grupo é distinto para que as diretrizes de cuidados possam ser desenvolvidas para lidar com o aumento de casos”, completa.

publicidade

A pesquisa coletou dados de quase meio milhão de pacientes entre 15 e 39 anos com câncer, entre 1973 e 2015. Os resultados foram publicados no JAMA Network Open e indicam que o câncer é a principal causa de morte relacionada a doenças nessa faixa etária.

Os diagnósticos da doença, no período estudado, aumentaram de 57 para 74 por 100 mil adolescentes e jovens adultos. Os tipos mais comuns no sexo masculino foram testicular, melanoma e linfoma não Hodgkin. Entre as mulheres, os mais frequentes foram cânceres de mama, tireoide, cervical e uterino.

O câncer de mama é um dos mais comuns entre as mulheres. Imagem: Rido/Shutterstock

De acordo com Zaorsky, em geral, as taxas de câncer de rim, tireoide e gastrointestinal estão aumentando nessa faixa etária. “Nossos dados reforçam o fato de que os médicos devem estar atentos a esses tipos de câncer em seus pacientes nessa faixa etária”, avalia o pesquisador, que recomenda que mais pesquisas sejam feitas para avaliar porque esses tipos de câncer estão aumentando.

“Todos esses cânceres têm fatores de risco únicos”, explica Zaorsky, que acredita que mudanças ambientais, dietéticas e de rastreamento durante o período estudado podem ter contribuído para o aumento das incidências. “Agora que há uma melhor compreensão dos tipos de câncer que são prevalentes e crescentes nessa faixa etária, protocolos de prevenção, rastreamento, diagnóstico e tratamento direcionados especificamente a essa população devem ser desenvolvidos”, conclui o pesquisador.