De acordo com dados do Octoverse, um relatório anual divulgado pela plataforma de hospedagem de código-fonte GitHub, usada por 56 milhões de desenvolvedores ao redor do mundo, a linguagem de programação Python e TypeScript seguem ganhando popularidade.

Python ocupa a vice-liderança, atrás apenas de JavaScript. Em terceiro lugar está Java, enquanto TypeScript está na quarta posição. Desenvolvida pela Microsoft, o superconjunto de JavaScript subiu três posições no ranking de popularidade. Por outro lado, linguagens antes populares, como PHP e Ruby, seguem perdendo notoriedade, caindo posições consideravelmente nos últimos cinco anos.

publicidade
Ranking das linguagens de programação mudou bastante nos últimos anos. Crédito: GitHub/Reprodução

O estudo não é o primeiro a mostrar o crescimento de Python entre as linguagens de programação neste ano. Em junho, a empresa RedMonk também publicou seu ranking de popularidade, trazendo o dado histórico de que, pela primeira vez desde 2012, Java não estava entre as duas primeiras posições.

Em outubro, foi a vez da empresa de análise de mercado SlashData reforçar a informação, na 19ª edição da pesquisa State of the Developer Nation. Com mais de 17 mil desenvolvedores em 159 países, a apuração apontava que a linguagem perdia apenas para JavaScript.

Programação na pandemia

Além dos números sobre linguagens de programação, o relatório do GitHub apontou ainda que houve um pico de atividade em projetos com código aberto na mesma época em que a pandemia de Covid-19 teve início. Esses trabalhos, inclusive, vêm apresentando crescimento anual de 40%, com a Nigéria se destacando como o país com o maior número de contribuições.

Aumento de contribuições em projetos open source coincidiu com pandemia de coronavírus. Crédito: GitHub/Divulgação

Os Estados Unidos seguem liderando em número de usuários ativos na plataforma e também na quantidade total de contribuições em projetos, apesar desta ter caído 22,7%. De acordo com os números do Octoverse, 80% das contribuições aos repositórios vêm de fora do país americano.

Fonte: VentureBeat