EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O Google anunciou que removeu uma série de extensões do Chrome lançadas pelo conglomerado online IAC/InterActive Corp por “violações de políticas”. A empresa ainda está analisando a possibilidade de aplicar penalidades severas ao grupo por supostas práticas enganosas de marketing.

De acordo com documentos sobre o caso, reportados pelo Wall Street Journal, o Google afirma que a IAC enganou os usuários sobre as funcionalidades das suas extensões de navegador. Algumas dessas extensões prometem acesso rápido a conteúdo, como citações diárias da Bíblia, manuais e formulários governamentais – mas direcionam os usuários para anúncios publicitários.

publicidade

A IAC afirma que o seu banimento medida devastaria “uma parte importante de seus negócios”. A empresa já foi a maior anunciante do Google, de acordo com a Kantar Media, e atuais e ex-funcionários do Google afirmam que o grupo continua sendo um dos maiores clientes de publicidade do buscador.

E como as empresas são rivais em alguns segmentos, alguns executivos do Google, incluindo o diretor jurídico, Kent Walker, temem que uma penalização possa ser vista como uma medida anticompetitiva. O buscador já foi processado em outubro por promotores federais por supostamente operar um monopólio na rede.

As extensões da IAC modificam o Chrome para exibir o buscador ‘MyWay’ como página inicial, sem o consentimento do usuário. Imagem: Reprodução

Além disso, IAC e Google arrecadam centenas de milhões de dólares em receita por meio de acordos entre si. “Continuamos a negociar com a IAC em relação às políticas da Chrome Web Store e já removemos várias de suas extensões por violar nossas políticas”, disse um porta-voz do Google em um comunicado enviado por e-mail à Reuters. “Estamos revisando as extensões restantes e nossas opções de ação, e não tomamos uma decisão sobre o status do IAC na loja”, acrescentou o comunicado.

Uma porta-voz da IAC, Valerie Combs, contestou que as extensões violam as políticas do Google. “O Google cobrou centenas de milhões de dólares de nós para anunciar e distribuir esses produtos na Chrome Store”, afirma Combs. “Não há nada de novo aqui – o Google usou sua posição para reduzir nosso negócio de navegadores até o último canto da Internet, que agora eles estão tentando nos suprimir”, completa.

publicidade

As extensões da IAC foram instaladas por mais de 150 milhões de usuários do Chrome, e representaram US$ 291 milhões em receita da empresa no ano passado. As extensões mudam as páginas iniciais do Chrome dos usuários para versões do MyWay, o mecanismo de pesquisa de propriedade da IAC.

A IAC ganha dinheiro com os anúncios fornecidos pelo Google veiculados nos resultados de pesquisa do MyWay. O Google fica com uma parte dessa receita e ganha dinheiro com os anúncios que a IAC compra nas plataformas do Google para promover suas extensões. “O modelo de negócios da IAC parece depender quase exclusivamente de instalações não intencionais”, escreveram membros da equipe de segurança do Chrome na auditoria.

A prática, de acordo com os especialistas de segurança, altera as configurações do navegador de um usuário sem seu total entendimento e consentimento, e é conhecida como “sequestro de navegador”. A porta-voz do IAC reconheceu que alguns dos anúncios citados pelos investigadores do Google eram inadequados e enganosos, e culpou ex-funcionários que já foram demitidos.

Via: Reuters/WSJ