EnglishPortugueseSpanish
publicidade

E o bitcoin está batendo recordes. Na última quarta-feira (16), às 10h42, a criptomoeda rompeu o valor de US$ 20 mil — evento inédito desde o início de sua existência. Eis que, na madrugada desta quinta, houve um novo registro de alta.


Às 6h15, menos de 24 horas desde o recorde anterior, a moeda chegou a custar US$ 23.500. Neste momento, segundo dados do IPB, o bitcoin está avaliado em R$ 113.457,37 aqui no Brasil.

publicidade

Este tem sido um ano particularmente bom para a criptomoeda. Até o momento, o bitcoin teve uma valorização de 220%. Vale destacar que, apenas nos últimos três meses, por exemplo, a valorização foi de cerca de 100%.


Ainda não há informações sobre o que levou a essa aumento, mas o COO da First Digital Trust, Gunnar Jaerv, comenta que isso pode ter acontecido como resultado natural de uma onda de investidores institucionais acreditando no potencial da criptomoeda.


Isso aconteceu, pois esses grandes investidores entraram no promissor mercado e adquiriram parte da oferta do bitcoin em meio a um período conhecido como bull run – que é quando ocorre um movimento forte de valorização.


“Investidores como o Guggenheim Partners, que recentemente declarou que pode estar investindo até US$ 530 milhões ou meio bilhão de dólares em um fundo de bitcoin, é a evidência de que o bitcoin não é mais a miragem que costumava ser – ele está realmente se tornando o oásis no deserto”, comenta o COO.

publicidade


No entanto, esse aumento não deve parar por aí. De acordo com Jason Deane, analista da Quantum Economics, o novo teto do bitcoin deve ser definido pela demanda de compra.


“Uma vez que o bitcoin quebrou essa barreira psicológica de US$ 20 mil com impulso suficiente, o novo teto será definido simplesmente pela demanda, sem pensar em onde será o próximo nível de resistência – pelo menos por agora”, comenta Deane.


Popularização do bitcoin

Bitcoin teve um ano particularmente bom em 2020. Foto: D-Keine/iStock


Não há como negar que 2020 foi o ano do bitcoin. Isso porque foi o período em que grandes empresas passaram a investir milhões e acreditar na criptomoeda, como é o caso da MassMutual, seguradora norte americana, que investiu US$ 100 milhões. Em outro segmento, a empresa de pagamentos PayPal começou a permitir que seus usuários negociassem o bitcoin por meio de sua plataforma.

Via: Portal do Bitcoin