EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Se você acompanha as notícias astronômicas, já sabe que nesta segunda (21), teremos uma das maiores conjunções entre Júpiter e Saturno dos últimos 800 anos.

Muitos dos astrônomos amadores esperam ansiosamente por este evento há vários meses. Será a primeira vez na história que a humanidade poderá contemplar, via telescópios, uma conjunção tão próxima destes dois planetas. 

publicidade
Simulação da visão da conjunção
Simulação da visão da conjunção do dia 21 vista de um telescópio

A conjunção astronômica é um fenômeno relativamente comum. Ela ocorre quando dois ou mais astros encontram-se em alinhamento com a Terra, ficando aparentemente próximos no céu. 

Alinhamento entre Terra e outros planetas
Alinhamento entre Terra, Júpiter e Saturno no dia 21 de dezembro de 2020. Créditos: TheSkyLive.com

Como todos os planetas do Sistema Solar orbitam o Sol, praticamente no mesmo plano, este alinhamento entre planetas ocorre com certa frequência. Mas as pequenas diferenças nos planos orbitais dos planetas fazem com que, a cada conjunção, a distância aparente entre os astros seja diferente. Por isso é tão rara uma conjunção planetária como a da noite de 21 de dezembro, quando os planetas estarão separados por apenas 0,1 graus no céu.

Em astronomia, é comum utilizar medidas angulares para distâncias aparentes na esfera celeste. Como comparação, o diâmetro aparente da Lua no céu é de 0,5 graus. 

distância entre Júpiter e Saturno
Distância aparente entre Júpiter e Saturno em 21/12/2020

Júpiter e Saturno são, sem dúvida, os planetas do Sistema Solar mais interessantes de serem observados por telescópio. Ambos são alvos preferenciais para os instrumentos de astrônomos amadores e astrofotógrafos.

Júpiter, o maior planeta em órbita do Sol, apresenta um sistema de tempestades que divide sua atmosfera superior em faixas de diferentes cores. Além da Grande Mancha Vermelha, um gigantesco vórtice de uma tempestade está ativa desde as primeiras observações de Júpiter por telescópio, feitas por Galileu Galilei, há mais de 400 anos.

publicidade

Também foi Galileu quem primeiro observou as quatro maiores luas de Júpiter: Io, Europa, Calisto e Ganímedes, chamadas merecidamente de “luas de Galileu”.

imagem de júpiter
Júpiter e suas faixas e sua Grande Mancha Vermelha. Créditos: Hubble/Nasa

Saturno, por sua vez, chama a atenção pelo seu belíssimo sistema de anéis que o circunda. Quando o Galileu observou o planeta pela primeira vez pelo telescópio, percebeu que havia alguma coisa em torno dele, mas não conseguia distinguir o que era. Eram apêndices, como alças, algo completamente diferente de tudo que já havia sido observado até então.

Inicialmente acreditava-se que eram Luas em uma órbita muito próxima ao planeta. Apenas meio século depois, Christiaan Huygens compreendeu a verdadeira natureza daqueles apêndices. Eram anéis, finos e planos, formados por uma nuvem de fragmentos orbitando o planeta. Huygens também descobriu Titan, a maior lua de Saturno.

Alguns anos depois, Domenico Cassini descobriu outras quatro grandes luas orbitando o planeta: Japeto, Reia, Tétis e Dione. Além disso, Cassini percebeu que os anéis não eram contínuos, como também uma pequena divisão na parte mais externa dos anéis, conhecida como “Divisão de Cassini”.

imagem de saturno
Saturno, seus anéis e a Divisão de Cassini. Créditos Hubble/Nasa

E tudo isso, toda a beleza e complexidade desses dois mundos que encantam os astrônomos há mais de 400 anos, poderá ser contemplada de uma só vez e de maneira inédita na próxima segunda (21). Tão rara, que a última vez ela ocorreu no ano 1226, quase 200 anos antes das primeiras observações de Galileu Galilei.

É uma oportunidade única de observar e fotografar os dois maiores planetas do sistema solar em um mesmo campo de visão do telescópio. Todos juntos, os dois gigantes gasosos, os anéis de Saturno com a Divisão de Cassini, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter, e as 9 maiores luas dos dois planetas, compondo uma única e espetacular imagem, que deve ficar gravada em nossa retina e em nossas câmeras também.

Como observar a conjuração entre Júpiter e Saturno?

A conjunção está no céu durante toda a semana. Júpiter e Saturno são os astros mais luminosos na direção do poente ao anoitecer, e eles já estão tão próximos um do outro, que se você esticar o braço, consegue ocultar os dois astros com a ponta do dedo mindinho.

Noite após noite, será possível acompanhar, a olho nu, os dois planetas cada vez mais próximos, até que no dia 21 chegarão à sua máxima aproximação.

Nesta noite, o melhor será observar os dois por um telescópio ou binóculo, para contemplar, em todos os seus detalhes, esse evento único. 

imagem que explica a conjuração entre júpiter e saturno
A ‘dança dos planetas’ Júpiter e Saturno no mês de dezembro e sua máxima aproximação no dia 21

Os planetas estarão visíveis no céu até, no máximo, por 2 horas após o por do Sol, se as condições meteorológicas permitirem. Mas se você perder essa conjunção na noite do dia 21, não se preocupe, porque não precisará esperar mais 800 anos para ver uma igual.

Daqui “apenas” 60 anos, em 2080, haverá uma outra conjunção entre Júpiter e Saturno tão próxima quanto esta. Talvez seja melhor não esperar tanto e preparar seus instrumentos para acompanhar a maior conjunção entre Júpiter e Saturno na era dos telescópios! 

Texto escrito por Marcelo Zurita, presidente da Associação Paraibana de Astronomia, membro da SAB – Sociedade Astronômica Brasileira e diretor técnico da Bramon – Rede Brasileira de Observação de Meteoros