EnglishPortugueseSpanish

O CEO do Telegram, Pavel Durov, disse nesta quarta-feira (23) que o aplicativo de mensagens irá explorar novas maneiras de monetização com anúncios. A medida será tomada enquanto o mensageiro se aproxima de 500 milhões de usuários. A expectativa é de que as mudanças sejam aplicadas já no próximo ano.

O Telegram deverá apresentar uma plataforma própria de anúncios “que seja amigável, respeite a privacidade e nos permita cobrir os custos de servidor e tráfego”. Segundo Durov, o negócio vem sendo financiado pessoalmente há sete anos. “Um projeto do nosso tamanho precisa de pelo menos algumas centenas de milhões de dólares por ano para continuar”, afirmou.

publicidade

Durov cita, também, que o Telegram não será vendido como fizeram “os fundadores do WhatsApp“. “O mundo precisa do Telegram para se manter independente como um lugar onde os usuários são respeitados e um serviço de alta qualidade é garantido”, disse ele.

Desta forma, o Telegram afirma que não vai introduzir anúncios em chats privados ou em grupos. Todos os recursos que já estão em funcionamento também permanecerão gratuitos com a mudança. A ideia, entretanto, é que o aplicativo comece a gerar receita já em 2021.

Figurinhas pagas no Telegram

A partir de 2021, Telegram passará a explorar maneiras de monetização dentro da plataforma. Imagem: PixieMe/Shutterstock

No anúncio, Durov disse que a atual escala do Telegram permite à empresa “fazer isso de uma forma não intrusiva. A maioria dos usuários dificilmente notará qualquer mudança”.

O projeto poderá monetizar grandes canais públicos de formato um-para-muitos, onde eles recebem tráfego “em proporção ao seu tamanho”. O CEO também cita que uma das formas de monetização poderá incluir adesivos premium que trazem recursos adicionais. O lucro, desta forma, seria dividido com os artistas que projetarem esses adesivos. “Queremos que milhões de criadores do Telegram e pequenas empresas prosperem, enriquecendo a experiência de todos os nossos usuários”.

Na publicação, Durov ainda cita a relação do Telegram com a visão de que a plataforma tomou dimensões de uma rede social. Ele compara os grandes canais, inclusive, como “os feeds de notícias do Twitter”. Nestes canais, os proprietários já exibem anúncios “às vezes usando plataformas de terceiros”. A partir de 2021, o Telegram passará a validar anúncios por meio de sua própria plataforma.

Via: TechCrunch