O próximo smartphone topo de linha da chinesa Huawei está a caminho. Pelo menos é o que garante Steve Hemmerstoff, famoso por vazar informações da indústria. Ele ainda diz que o aparelho, que foi batizado como Huawei P50 Pro, terá tela de 6,6 polegadas e chip para conexão 5G

Em uma renderização compartilhada por Hemmerstoff, é possível ver que o dispositivo se assemelha bastante ao popular P40, lançado anteriormente pela empresa. Outro detalhe que pode-se observar é a presença de apenas uma câmera frontal – ao contrário do antecessor, que contava com dois sensores.  

publicidade

Na parte interna, ainda não está claro qual chip alimentará o Huawei P50 Pro. Mas rumores indicam que pode ser algum fornecido pela Qualcomm – mesmo com as recentes proibições impostas pelos Estados Unidos contra a Huawei.  

Isso seria possível graças à implementação de um chip 5G. A Qualcomm pôde, por um tempo, fornecer chips 4G para a Huawei. Depois de certa quantidade ser atingida, uma proibição entraria em vigor. Porém, se a empresa de fato implementar tecnologia 5G, os processadores de quinta geração poderiam tecnicamente ser fornecidos, já que não estavam listados no acordo.  

Caso essa estratégia não seja viável, a Huawei ainda pode implementar seus próprios chips Kirin. Anteriormente, a empresa já os utilizou em sua gama principal de smartphones, deixando que a tecnologia Snapdragon alimentasse os aparelhos mais baratos da marca.  

Guerra entre EUA e China  

O mau tempo envolvendo a Huawei acontece devido às mais de 16 acusações feitas pelos EUA contra a empresa. As denúncias vão de fraude bancária a roubo de segredos industriais, mas a principal delas é a de que a companhia seria utilizada pelo governo chinês como ferramenta de espionagem.   

Como retaliação, a China chegou a considerar proibir que equipamentos da Nokia fabricados em seu território fossem exportados para outros países. Tal medida representaria enorme prejuízo para a Europa, que conta com a Nokia para o fornecimento de diversas tecnologias, inclusive o 5G

Via: TechTimes