Nesta quarta-feira (13), durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria anunciou que antecipará a reclassificação de áreas do estado no Plano São Paulo para a próxima sexta-feira (15). Isso altera o cronograma previsto – em que esse processo seria realizado novamente em 5 de fevereiro.  

Na última atualização, feita na sexta-feira (8), três regiões (Marília, Sorocaba e Registro) passaram da fase amarela para a laranja – juntando-se a Presidente Prudente, que subiu da fase vermelha. Mesmo assim, 90% do estado, incluindo a capital, continuaram na fase amarela.  

publicidade
Marília, Sorocaba, Registro e Presidente Prudente são as regiões que ainda permanecem na fase laranja de restrição. Foto: Governo de SP/Divulgação

Até o momento, não se sabe quais locais serão reclassificados. No entanto, a capital deve continuar na fase amarela, já que, até então, as autoridades municipais de Saúde não foram informadas sobre qualquer mudança.  

Isso porque, apesar do aumento no número de casos e na ocupação de leitos, a pasta considera que os números registrados ainda estão no padrão estabelecido como fase amarela do programa.  

De acordo com a declaração de Doria, a reclassificação por meio do Plano São Paulo foi antecipada para adequar o estado a um novo método criado por um subgrupo do Centro de Contingência do Coronavírus que tem o objetivo de tornar a quarentena em São Paulo mais rígida.  

Ao comentar a mudança, o governador disse que o “governo de São Paulo anunciará uma nova reclassificação do Plano São Paulo, tomando como referência estudos que estão sendo finalizados pelo Centro de Contingência da Covid-19, que nós seguimos religiosamente desde o dia 26 de fevereiro, desde que tivemos o primeiro caso confirmado”.

Segundo médicos do comitê de saúde e especialistas, o estado deve enfrentar um novo pico de contaminações até o fim de janeiro. Esse movimento deve ser o resultado das aglomerações vistas no Natal e Ano Novo.  

Por isso, Jean Gorinchteyn, secretário de saúde do estado, reforça que a população deve continuar seguindo todas as normas para se proteger. “Estamos tendo revelações e números maiores estarão presentes. Precisamos que toda população esteja atenta, seguindo rituais e normas sanitárias”, alerta.  

Vacinação em São Paulo

O Governo de São Paulo pode antecipar a vacinação contra a Covid-19, atualmente prevista para 25 de janeiro, caso a Anvisa aprove o pedido de uso emergencial da vacina Coronavac antes do prazo de 10 dias. A afirmação foi feita pelo governador João Doria na segunda-feira (11) em entrevista à CNN Rádio. 

“Está mantido o prazo de 25 de janeiro. São Paulo iniciará a vacinação em 25 de janeiro e, se possível, até antes. Se houver a liberação da vacina antes, vamos iniciar a vacinação antes. Aliás, é o que desejamos para todo o Brasil. […] a meu ver, não é o momento de a ciência burocratizar e fazer excessos de exigências de uma vacina que já se mostrou eficiente e eficaz. Nem para a vacina do Butantan, nem para a de Oxford ou nenhuma outra”, explicou os motivos para antecipar a vacinação a Covid-19

O governador também afirmou que o Sinovac, laboratório que desenvolveu a Coronavac em parceria com o Instituto Butantã, deve entrar nesta semana com pedido de registro definitivo de sua vacina na China. Isso facilitaria o seu uso e registro em outros países. 

“A agência de Vigilância Sanitária chinesa está classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das agências que podem certificar vacinas e adotá-las mundialmente. As outras são o FDA, dos EUA, a agência europeia e a agência japonesa”, afirmou. 

Via: Uol