EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Já imaginou ter um cofre seguro lotado de dinheiro, mas não lembrar a combinação para retirar a fortuna? Pois essa é a situação do programador de computador Stefan Thomas, que não lembra a senha de seu disco rígido para acessar sua carteira de bitcoins, atualmente avaliada em US$ 240 milhões (aproximadamente R$ 1,2 bilhão).

Há dez anos, Thomas, morador de San Fracisco (EUA), recebeu 7.002 bitcoins como recompensa por fazer um vídeo explicativo sobre o funcionamento da criptomoeda. Na época, cada bitcoin valia de US$ 2 a US$ 6, mas o programador preferiu guardá-los em sua carteira digital e “esquecê-los” nela.

publicidade

No entanto, Thomas não previa que o bitcoin fosse capaz de crescer desenfreadamente durante a última década, alcançando a marca recorde de US$ 41 mil (cerca de R$ 220 mil) na última semana.

A notícia seria excelente para o programador, se ele não tivesse esquecido a senha de seu HD IronKey. Para piorar, Thomas já errou a senha oito vezes e tem apenas duas tentativas restantes antes que seu disco rígido seja criptografado por completo e “suma” com a fortuna.

Cadeados
HD IronKey usado por Thomas é reconhecido por sua segurança. Foto: Georg Bommeli/Unsplash

Luz no fim do túnel?

Após a divulgação da situação de Thomas nas redes sociais, Alex Stamos, especialista em segurança cibernética da Stanford Internet Observatory, disse que poderia quebrar os códigos de segurança da senha por uma “bagatela” de 10% da fortuna digital.

“Hum, por US$ 220 milhões em bitcoins bloqueados, você não adivinha 10 senhas, mas leva profissionais a comprarem 20 IronKeys e passarem seis meses procurando ou desbloqueando um canal secundário. Vou fazer acontecer por 10%. Me liga”, publicou Stamos no Twitter.

publicidade
https://twitter.com/alexstamos/status/1348999178702057476

O ditado “mais vale um pássaro na mão do que dois voando” nunca foi tão real na vida de Thomas. Afinal, o que seriam menos R$ 126 milhões na conta comparado a um revés de R$ 1,2 bilhão?

Caso não é isolado

Quebrando recorde atrás de recorde, o bitcoin figura no topo das criptomoedas mais valorizadas do mundo. No entanto, nem todos os operadores conseguem desfrutar de seus ganhos.

Isso porque casos como o de Thomas são recorrentes. Tanto que a empresa de dados de criptomoedas Chainalysis estima que cerca de 20% dos 18,5 milhões de bitcoins existentes parecem ter sido perdidos ou presos em carteiras inacessíveis.

Bitcoins
Cerca de 3,7 milhões de bitcoins podem estar “perdidos” ou inacessíveis. Foto: Dmitry Demidko/Unsplash

Em 2013, o trabalhador galês de TI James Howells acidentalmente descartou um disco rígido contendo chaves para 7.500 bitcoins. Hoje, as criptomoedas valeriam mais de US$ 250 milhões (R$ 1,3 bi).

Por essas e outras, é importante guardar todas as senhas criadas. Existem diversos métodos, como cofres digitais e tokens capazes de armazenar as senhas de maneira segura. Os serviços de one-time password também podem ser uma boa opção.

Confiar apenas na memória pode ser um “tiro no escuro” e a possibilidade de encontrar-se na mesma situação de Thomas — em outras proporções, é claro — é bem provável.

Via: Msn