Um tribunal de Seul condenou Lee Jae-yong, herdeiro da Samsung, a voltar à prisão por dois anos e meio. A decisão foi tomada nesta segunda-feira, após um novo julgamento sobre um caso de suborno envolvendo o magnata e uma ex-presidente sul-coreana.

Filho do bilionário Lee Kun-hee, presidente da Samsung, que morreu em outubro do ano passado, Jae-yong foi preso pela primeira vez em 2017 após um escândalo envolvendo sua sucessão dentro da empresa.

publicidade

Na época, Jae-yong foi acusado de oferecer propina no valor de 30 bilhões de won à então presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye. Seu objetivo era obter apoio do governo para assumir o cargo que foi do pai dentro da companhia.

Naquele mesmo ano, Geun-hye seria removida do cargo em processo de impeachment, sob várias acusações de corrupção, incluindo o caso envolvendo a Samsung.

Em sua decisão, o Tribunal Distrital Central de Seul afirma que o empresário “pagou voluntariamente e pediu à presidente que usasse seu poder para facilitar sua sucessão”.