Na noite desta quarta-feira (20), o céu exibirá um fenômeno bastante interessante. Será a apróximação de Urano com Marte. No entanto, os dois planetas não serão os únicos protagonistas do evento. Isso porque a Lua também estará presente.  

O fenômeno estará muito separado para caber no campo de visão de um telescópio, mas será visível a olho nu – mesmo que com pouca ou quase nenhuma visibilidade de Urano – ou com a ajuda de um par de binóculos. Com isso, será possível ver os três próximos um do outro no céu. 

publicidade

Em outubro do ano passado, um acontecimento semelhante foi registrado. Urano foi visto junto com a Lua. Marte também estava presente, mas um pouco mais distante do que o fenômeno desta quarta.  

Urano é um planeta que desperta bastante curiosidade dos estudiosos e entusiastas. Isso porque, além de muito frio, ele gira em um ângulo de 90 graus em comparação com o restante dos integrantes do sistema solar.  

A principal teoria que explicaria esse detalhe é que algo se chocou contra Urano há muito tempo, fazendo com que o planeta se desloque e gire em um ângulo que não corresponde à sua própria órbita ao redor do Sol.  

Vale lembrar que, além desta noite, especialistas acreditam que o fenômeno ainda será visível na próxima quinta-feira (21).

Próximos eventos astronômicos 

27 de janeiro: Mercúrio estará no ponto mais alto do céu, e será visível cerca de 15º acima do horizonte ao pôr do sol. Olhe na direção Oeste.  

28 de janeiro: Lua Cheia de janeiro, conhecida nos EUA como a “Lua do Lobo” (Wolf Moon). 

Como se orientar 

Para acompanhar nosso calendário astronômico, é importante saber em que direção olhar e como identificar os principais pontos cardeais. Para isso, você pode usar um velho truque, uma bússola ou um app de astronomia em seu celular

O velho truque é baseado numa frase que você deve ter aprendido na escola: “o sol nasce a leste e se põe a oeste”. Fique em pé e estique os braços, com o direito apontando para o nascente, e o esquerdo para o poente. Então você terá o leste à direita, o norte à frente, o oeste à esquerda e sul atrás de você. 

Quanto às bússolas, quem usa um iPhone não precisa de um app extra: basta usar o “Bússola”, que é parte do iOS. Para Android minha recomendação é o “Apenas uma bússola”, da PixelProse SARL, que é bonito, simples, gratuito e, mais importante, sem anúncios. 

O SkySafari usa bússola e GPS para identificar as estrelas para as quais o celular está apontando. Imagem: Simulation Curriculum

Outra opção é usar um app de astronomia, que usa a bússola do celular e sua localização obtida via GPS identificar o que você está apontando ou indicar para onde olhar. Uma boa opção é o Sky Safari, da Simulation Curriculum Corp., que está disponível em versões para Android e iOS e pode ser usado gratuitamente.