EnglishPortugueseSpanish

A União Europeia distribuiu 7,8 milhões de euros (ou R$ 49 milhões na conversão direta) em multas às grandes produtoras de games como Valve e Capcom.

As empresas são acusadas de adicionar travas de região (conhecidas como “geoblock”) em seus produtos vendidos pela plataforma Steam, impedindo o livre comércio em países seletos. Também foram multadas a Bandai Namco, Focus Home, Koch Media e a Zenimax (dona da Bethesda Softworks).

publicidade

Segundo a documentação processual, as companhias firmaram acordo com a Valve, dona da Steam, entre setembro de 2010 e outubro de 2015, para que os jogos não fossem comercializados em países específicos da Europa. A Valve foi a única a receber condenação completa por enfrentar as acusações em juízo.

união europeia videogames
Diversos jogos da Steam contavam com trava de região imposta pela Valve e outras empresas. Imagem: Casimiro PT/Shutterstock

Em suma, as empresas anteciparam que os bloqueios por localização impediriam que usuários comprassem licenças para jogos de outros países. O problema é que a decisão de aplicá-los fez com que os games sequer ficassem disponíveis para compras em algumas nações, algo que não caiu bem com a União Europeia, que preparou um processo baseado em leis antitruste.

“Durante os sete anos dessa investigação, a Valve extensivamente cooperatou com a Comissão Europeia (CE), oferecendo evidências e informações conforme pedidas. Entretanto, a Valve recusou-se a admitir qualquer quebra da legislação, conforme a CE exigiu. A Valve discorda da conclusão da CE e da multa levantada contra a Valve”, disse a dona da Steam em um comunicado.

A empresa ainda ressaltou que menos de 3% dos jogos disponíveis no catálogo da plataforma Steam eram travados por região, e nenhum deles pertencia à Valve, ou seja, foram travas feitas a pedido das publishers. A Valve não informou se pretende recorrer da decisão tomada pela União Europeia.

publicidade

Fonte: UE