EnglishPortugueseSpanish

A partir deste mês, mais de 1,4 mil pessoas que receberam placebo durante os testes realizados com a vacina da Pfizer/BioNTech no Brasil serão imunizadas. A decisão foi anunciada pelo laboratório na quarta-feira (20).   

Apesar da Anvisa não ter aprovado o uso da vacina no Brasil – isso porque o pedido para uso emergencial ainda não foi feito -, a empresa afirma que os participantes do estudo em São Paulo (SP) e Salvador (BA) receberão as duas doses previstas do imunizante.  

publicidade

A vacinação antes da aprovação será possível graças a um acordo fechado junto à Anvisa. Os voluntários já estavam cientes desta etapa. Isso porque o termo de consentimento assinado no início do estudo mencionava a imunização.  

No entanto, os interessados em receber as doses da vacina da Pfizer devem entrar em contato com os centros de pesquisa em que os estudos foram conduzidos.

“Os voluntários do estudo interessados em receber a vacina deverão entrar em contato com os centros e receberão todos os esclarecimentos necessários. Todos os participantes seguirão em acompanhamento no estudo, conforme estabelecido em protocolo”, informa o laboratório.  

Vacinas aprovadas no Brasil 

Por enquanto, dois imunizantes foram aprovados no país. Foto: phanurak rubpol/Shutterstock

Até então, dois imunizantes foram aprovados por aqui: CoronaVac e a vacina de Oxford. A primeira delas tem origem chinesa e está sendo aplicada por aqui desde o último domingo (17). O segundo ainda não está disponível – mas deverá chegar em março.

publicidade

Nos Estados Unidos e Reino Unido, a situação é um pouco diferente. Nesses dois lugares, a vacina da Pfizer já foi adotado desde o ano passado e está em processo de aplicação.  

O governo brasileiro ainda não fechou um acordo com o laboratório para utilização do imunizante. Segundo o presidente Jair Bolsonaro e o Ministério da Saúde, isso ainda não ocorreu por conta de exigências exageradas por parte da Pfizer.  

Em resposta às alegações, o laboratório afirma que suas exigências são as mesmas apresentadas para outros países que fecharam contratos para aplicação da vacina. 

Via: G1

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!