EnglishPortugueseSpanish

A Apple emitiu um alerta para os proprietários de iPhone que também dependem de aparelhos como marca-passos e desfibriladores. Os smartphones e acessórios MagSafe devem ser mantidos a uma distância segura de 15 cm de distância (ou até 30 cm, se em uso) de dispositivos médicos que respondem a ímãs e rádio quando em contato próximo.

“O iPhone contém ímãs, bem como componentes e rádios que emitem campos eletromagnéticos. Todos os acessórios MagSafe também contêm ímãs – e o MagSafe Charger e o MagSafe Duo Charger contêm rádios. Esses ímãs e campos eletromagnéticos podem interferir nos dispositivos médicos” como marca-passos e desfibriladores implantados, explica a Apple em comunicado.

publicidade

Um estudo publicado na Heart Rhythm Journal afirma que a matriz circular de ímãs que fica ao redor da bobina de carregamento central dos iPhones 12 – que os tornam compatíveis com o MagSafe – causou interferência em implantes da fabricante Medtronic. “Assim que o iPhone foi aproximado sobre a área esquerda do tórax, foi observada a suspensão imediata das terapias, que persistiu durante todo o teste”.

Carregador MagSafe Duo
Carregador MagSafe Duo também é compatível com Apple Watch e cases recarregáveis de Air Pods. Foto: Apple/Divulgação

Os iPhone 12 em particular contém mais ímãs do que os modelos anteriores do smartphone, mas a Apple garante que “não se espera que eles representem um risco maior de interferência magnética em dispositivos médicos”. Para evitar maiores problemas, a Apple recomenda que o usuário consulte seu médico e o fabricante do marca-passo para obter orientações específicas.

“Os fabricantes costumam fornecer recomendações sobre o uso seguro de seus dispositivos em produtos sem fio ou magnéticos, para evitar possíveis interferências. Se você suspeita que o iPhone ou qualquer acessório MagSafe está interferindo no seu dispositivo médico, pare de usar o iPhone ou os acessórios MagSafe”, pede a empresa.

A própria Medtronic afirma que analisou os aparelhos da Apple e avaliou que a tecnologia “não apresenta risco aumentado de interferência com dispositivos de ritmo cardíaco implantáveis”. Porém, como precaução, também aconselha que os pacientes mantenham uma distância segura entre smartphones, acessórios e implantes.

publicidade

Sobre o estudo, a Medtronic disser que ele “não seguiu a rotulagem aprovada para esses dispositivos em sua metodologia. Quando usado conforme as instruções, não há risco aumentado de interferência”.

Via: CNN/Engadget