EnglishPortugueseSpanish

Certas mudanças devem se manter mesmo após o fim da pandemia de Covid-19. A adoção de atendimento automatizado já vinha crescendo antes das medidas de distanciamento social – e se tornaram lugar-comum depois. Muitas empresas estão indo além, e “contratando” recepcionistas robóticos para realizar as vendas.

DAL-e é o robô alimentado por Inteligência Artificial da Hyundai Motor Group, que oferecerá serviços personalizados em um showroom da montadora. O equipamento possui processamento de linguagem, reconhecimento facial e recursos de mobilidade automatizados que permitem que se comunique de forma independente com as pessoas.

publicidade

O seu nome é um acrônimo para “Drive you, Assist you, Link with you-experience” (“dirigir você, ajudar você, te conectar com sua experiência”). “Espera-se que ele se torne capaz de entregar mensagens consistentes aos clientes de uma forma mais íntima e pessoal do que os robôs convencionais”, afirma Dong Jin Hyun, vice-presidente e chefe do Laboratório de Robótica do Hyundai Motor Group.

A operação piloto do DAL-e está sendo realizada em Seul. O robô foi trainado para, caso um cliente entre no showroom sem usar máscara, o reconhecer e aconselhá-lo a usar uma. Ele pode travar um diálogo automatizado com os clientes, fornecendo informações úteis e tirando dúvidas sobre produtos e serviços – respondendo a comandos verbais e de toque na tela.

DAL-e receberá os clientes que forem ao showroom da montadora em Seul. Hyundai Motor Group/Divulgação

Pequeno e leve, DAL-e pode se mover livremente pelo salão e acompanhar os clientes até os pontos de serviço. A Hyundai espera que o robô possa facilitar o fluxo de trabalho da equipe do showroom e oferecer uma alternativa prática para clientes que preferem manter o distanciamento social de outras pessoas.

De fato, muitos robôs estão sendo usados na pandemia para cumprir tarefas que já não são tão seguras para humanos. A Panasonic confirmou que pretende começar os testes com entregas em domicílio utilizando robôs autônomos. Spot, o cão-robô da Boston Dynamics vem atuando na triagem remota de possíveis pacientes com Covid-19.

publicidade

A Hanson Robotics, criadora do androide Sophia, disse que pretende vender “milhares” de robôs em 2021. De acordo com um relatório da Federação Internacional de Robótica, as vendas mundiais de robôs de serviço profissional já viam crescendo 32% entre 2018 e 2019, atingindo um patamar de US$ 11,2 bilhões em faturamento.

“Posso inferir que a pandemia realmente nos ajudará a colocar os robôs mais cedo no mercado porque as pessoas começam a perceber que não há outra maneira”, acredita o professor de robótica social Johan Hoorn, da Universidade Politécnica de Hong Kong.