EnglishPortugueseSpanish

Inativo por mais de seis anos, o grupo ativista hacker Anonymous Malaysia deve voltar a ficar operacional. Segundo o portal The Star, o grupo pode iniciar ataques maliciosos contra o governo da Malásia em breve.

As invasões, no entanto, têm um motivo: os hackers alegam que o sistema de segurança do governo não melhorou desde os ataques de 2011. Na ocasião, pelo menos 51 sites foram invadidos pelo grupo em represália à censura das autoridades ao WikiLeaks e a páginas de downloads.

publicidade

Se os ataques ocorrerem, muitos dados correm risco de exposição e de serem vendidos por criminosos no mercado paralelo. A ação seria uma punição ao governo por não ter implementado um sistema de segurança. “Eles [governo da Malásia] não procuraram maneiras de desenvolver suas habilidades, não estão curiosos sobre novos horizontes e não estão dispostos a reconhecer e aprender com os erros do passado”, diz o grupo.

Bandeira da Malásia
País não reforçou segurança de seus sites governamentais desde os ataques de 2011. Foto: mkjr_/Unsplash

Perigo à vista

De acordo com Kevin Reed, diretor de segurança da informação da Acronis, é pouco provável que o grupo queira guerra contra o governo, mas as ameaças devem ser levadas a sério pelo governo da Malásia. “Os ataques mais prováveis ​​do Anonymous, nesse caso, são do tipo negação de serviço distribuída (Distributed Denial of Service – DDoS) ou exposição de dados obtidos a partir de uma vulnerabilidade na rede”, afirma.

E, para se prevenir deles, é preciso garantir que fontes de dados críticas e confidenciais sejam criptografadas e protegidas adequadamente. Além disso, as agências do governo também devem se mobilizar para encontrar e corrigir possíveis vulnerabilidades em seus sistemas de segurança.

publicidade

Para Reed, os sites governamentais não precisam fazer mudanças drásticas em seus sistemas de segurança. As páginas só precisam estar em uma rede adequada e monitorar o fluxo de dados. Mesmo assim, ele diz que o alerta do grupo Anonymous Malaysia deve ser levado a sério pelo governo do país.

Via: Tech Times