Michael López-Alegría (ex-astronauta da Nasa de VP da Axiom Space), Larry Connor (empresário americano), Mark Pathy (investidor canadense) e Eytan Stibbe (investidor israelense). Esses foram os tripulantes definidos para participarem da primeira missão espacial totalmente privada rumo à Estação Espacial Internacional (ISS).

A divulgação foi revelada na terça-feira (26) pela Axiom Space, empresa privada norte-americana que comandará a missão. Alegría será o comandante, Connor ficará responsável pela pilotagem, enquanto Pathy e Stibbe atuarão como especialistas da missão.

publicidade

“Procuramos reunir uma equipe para esta missão histórica que demonstrou um compromisso vitalício para melhorar a vida das pessoas na Terra, e estou feliz em dizer que fizemos isso com este grupo”, comunicou Michael Suffredini, CEO da Axiom Space.

O ineditismo da primeira viagem privada com destino à ISS tem seu preço: cada tripulante — com exceção de Alegría — terá que desembolsar cerca de US$ 55 milhões para voar com a Axiom. Uma quantia generosa para entrar para os anais da história espacial.

Estação Espacial Internacional
Viagem rumo à ISS está programada para acontecer em janeiro de 2022. Foto: Nasa/Divulgação

Missão Ax-1

A bordo da cápsula tripulada Crew Dragon, impulsionada por um Falcon 9 — ambos da SpaceX —, os tripulantes deverão partir rumo à ISS em janeiro de 2022, em uma viagem que deve levar em torno de dois dias.

Após chegarem ao destino final, os tripulantes passarão oito dias na ISS participando de pesquisas e projetos filantrópicos, de acordo com a Axiom.

Caso a missão seja bem-sucedida, a missão Ax-1 será a primeira viagem totalmente privada à ISS. Turistas russos também realizaram o mesmo trajeto em missões anteriores, mas a viagem ocorreu a bordo de cápsulas Soyuz operadas pela Roscosmos — estatal responsável pelo programa espacial Russo.

A missão da Axiom Space também configura mais um passo para o desejo da Nasa de construir uma economia comercial na órbita baixa da Terra apoiada por empresas privadas.

A agência americana espera fornecer e comprar serviços em órbita e a missão Ax-1 deve estimular outras empresas privadas a entrarem de vez no mercado.

Via: Axios