Nesta segunda-feira (1º) entrou em funcionamento no Brasil a primeira fase do Sistema Financeiro Aberto (Open Banking), novo sistema que promete revolucionar a indústria financeira. Sua implementação será feita gradualmente, em quatro etapas, até 15 de dezembro.

Na primeira fase, o Open Banking entrega as condições necessárias para que o mercado crie modelos de negócios e serviços que facilitem aos clientes comparar diferentes produtos e serviços financeiros disponíveis para contratação. 

publicidade

Será obrigatória a abertura ao público de dados das instituições participantes do ecossistema do Open Banking sobre seus canais de atendimento e as características de produtos e serviços bancários. O compartilhamento será feito digitalmente, por meio de APIs abertas e padronizadas, e as informações disponibilizadas são mais amplas e detalhadas em relação ao que já é público atualmente.

Banco Central lançou a primeira etapa do Open Banking no país nesta segunda (1º). Foto:Raphael Ribeiro/BCB

Por enquanto, não há compartilhamento de dados de clientes, como informações cadastrais ou de transações financeiras. Tais dados só poderão ser compartilhados entre instituições participantes reguladas, autorizadas e supervisionadas pelo Banco Central (BC) a partir da Fase 2, que se inicia em 15 de julho, e somente quando o compartilhamento for expressamente autorizado pelo próprio cliente.

“Todas as trocas de informações no âmbito do ecossistema do Open Banking serão plenamente seguras, assim como são seguras todas as transações no âmbito do Sistema Financeiro Nacional”, assegura o Banco Central, por meio de nota oficial.

Cronograma do Open Banking

Ao longo de 2021, bancos deverão se adaptar às normas e atualizar seus sistemas para garantir a segurança das informações dos clientes. Confira abaixo as quatro fases da do compartilhamento de dados do Open Banking:

  • Fase 1: acesso ao público a dados de instituições participantes do Open Banking sobre canais de atendimento e produtos e serviços relacionados com contas de depósito à vista ou de poupança, contas de pagamento ou operações de crédito;
  • Fase 2 (concluída até 15 de julho): compartilhamento entre instituições participantes de informações de cadastro de clientes e de representantes, bem como de dados de transações dos clientes acerca dos produtos e serviços relacionados na Fase 1;
  • Fase 3 (concluída até 30 de agosto): compartilhamento do serviço de iniciação de transação de pagamento entre instituições participantes, bem como do do serviço de encaminhamento de proposta de operação crédito entre instituição financeiras e correspondentes no país eventualmente contratados para essa finalidade;
  • Fase 4 (concluída até 15 de dezembro): expansão do escopo de dados para abranger, entre outros, operações de câmbio, investimentos, seguros e previdência complementar aberta, tanto no que diz aos dados acessíveis ao público quanto aos dados de transações compartilhados entre instituições participantes.

Via: Convergência Digital