Como reforço no projeto Starlink, que quer fornecer internet de alta velocidade para qualquer lugar do mundo, a SpaceX enviou mais 60 satélites ao espaço nesta quinta-feira (4). A missão, chamada Starlink 18, é um marco na reutilização de lançadores pela empresa de Elon Musk.

O foguete Falcon 9 de dois estágios decolou do Complexo de Lançamento Espacial 40, na Estação da Força Espacial do Cabo Cavaneral, às 3h19 pelo horário de Brasília. Cerca de nove minutos após o lançamento, o primeiro estágio do foguete retornou à Terra e pousou no balsa robótica “Of Course I Still Love You”, que fica no Oceano Atlântico.

publicidade

Outros 60 satélites Starlink devem ser enviados ao espaço na manhã de sexta-feira (5), em um Falcon 9 diferente. Com isso, a meta da companhia de construir uma constelação com 1.440 satélites fica cada vez mais próxima: com os lançamentos bem-sucedidos de hoje, já são mais de mil satélites Starlink em órbita.

Constelação de satélites da SpaceX
SpaceX quer criar uma constelação de satélites para prover internet de alta velocidade para o mundo todo. Foto: CG Alex/Shutterstock

Lançamentos em tempo recorde

A missão Starlink 18 foi o quinto lançamento desse primeiro estágio do Falcon 9 (o booster B1060). Desta vez, a SpaceX estabeleceu um tempo mínimo recorde entre os voos — o lançamento mais recente com esse booster foi há apenas 27 dias.

O marco histórico tem algumas explicações. Uma delas é a alta capacidade de reutilização do Falcon 9. O foguete necessita de poucas intervenções para ficar pronto para outro um lançamento, o que agiliza as missões. Outro ponto é que a SpaceX opera a partir de duas plataformas de lançamento diferentes e isso possibilita, por exemplo, que haja voos simultâneos.

Além disso, o Falcon 9 é o único foguete americano equipado com sistema de terminação automática de voo. O computador a bordo do foguete pode detectar possíveis problemas e, se necessário, desligar os motores do veículo antes da decolagem ou simplesmente destruí-lo durante o trajeto. Com isso, são necessários menos profissionais para o lançamento.

Trajeto do Falcon 9, da SpaceX
Recuperação do primeiro estágio do Falcon 9 permite reutilização em novos lançamentos. Foto: SpaceX/Divulgação

Perdeu a vez

A Starlink 18 ocorreu mesmo sem a conclusão da Starlink 17. Isso porque a atividade anterior estava programada para segunda-feira (1°), mas foi adiada por mau tempo na zona de recuperação e necessidade de tempo extra para a verificação do voo.

Até se cogitou lançar a Starlink 17 nesta quinta-feira. O Eastern Range — que supervisiona os lançamentos na costa oeste americana — chegou a dar o aval para a SpaceX, menos de cinco horas após o lançamento da Starlink 18, mas o voo não ocorreu.

Se ela tivesse ocorrido, seria a primeira vez desde 1966 que duas missões orbitais seriam lançadas da Cordilheira Leste no mesmo dia. Desta vez, entretanto, ficou apenas no quase.

Via: Space.com