EnglishPortugueseSpanish

No episódio “Quem Atirou no Sr. Burns?”, que encerra a sexta temporada de “Os Simpsons”, o dono da usina nuclear e chefe do Homer planeja tapar o sol, para que os moradores de Springfield consumam mais energia elétrica. Agora, um projeto financiado por Bill Gates propõe fazer o mesmo, mas utilizando poeira e para conter o aquecimento global. Será que o desenho mais uma vez previu o futuro?

O Experimento de Perturbação Controlada Estratosférica (Stratospheric Controlled Perturbation Experiment, ou SCoPEx), foi criado por cientistas da Universidade de Harvard, e sugere pulverizar a atmosfera com poeira de carbonato de cálcio (CaCO3). Esse aerossol refletiria os raios do sol, compensando os efeitos das mudanças climáticas.

publicidade
A motivação e a técnica são diferentes, mas o SCoPEx, com apoio de Bill Gates, e o Mr. Burns têm o mesmo objetivo: tapar o Sol. Imagem: Fox/Reprodução

O projeto ficou parado por alguns anos, em meio a controvérsia sobre seu impacto (até agora, imprevisível) e possíveis mudanças extremas nos padrões climáticos do planeta. Ambientalistas ainda temem que a estratégia de mitigação sirva como estímulo para que se continue a emitir gases de efeito estufa com pouca ou nenhuma mudança nos padrões atuais de consumo e produção.

Algumas dessas questões poderão começar a ser respondidas em junho, quando o SCoPEx fará um teste próximo à cidade de Kiruna, na Suécia. A Swedish Space Corporation lançará um balão carregando equipamento científico de 20 km de altura que servirá de piloto para um segundo experimento, este sim, que irá liberar uma pequena quantidade de poeira de CaCO3 na atmosfera.

Balão do SCoPEx testará os efeitos do carbonato de cálcio na atmosfera. Imagem: SCoPEx/Divulgação

Um dos pesquisadores que propuseram o SCoPEx em um artigo publicado em 2017, David Keith, reconhece as “muitas preocupações reais” da geoengenharia solar. Professor de física aplicada e políticas públicas na Universidade de Harvard, ele afirma que ninguém sabe o que vai acontecer até que o CaCO3 seja liberado e depois estudado.

Keith e outros cientistas sugerem no estudo que a poeira pode realmente reabastecer a camada de ozônio ao reagir com moléculas que estão destruindo o composto. A quantidade exata de CaCO3 necessária para resfriar o planeta, porém, é desconhecida. Mesmo os cientistas do SCoPEx não podem confirmar se o carbonato de cálcio é o melhor aerossol estratosférico para o trabalho.

Os defensores da geoengenharia solar citam os efeitos de resfriamento global causados atividade vulcânica. A erupção do Monte Tambora em 1815 na Indonésia resultou no “ano sem verão”, com a temperatura média global caindo até 0,7°C. Por outro lado, as temperaturas congelantes na época arruinaram colheitas e levaram vários países a condições de quase fome.

Via: Forbes

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!