O Instituto de Defesa do Consumidor, o Idec, encaminhou nesta sexta-feira uma representação cobrando providências das autoridades federais sobre o vazamento de 223 milhões de CPFs.

A organização não governamental e sem vínculos empresariais pede a adoção de medidas “firmes e imediatas” contra os responsáveis pela exposição dos dados, que ocorreu no início de janeiro.

publicidade

Segundo o Idec, “providências de contenção serão adotadas para tentar reduzir as “consequências e os danos causados pela violação”.

O instituto ressaltou que vai tomar “as medidas cabíveis, previstas na Lei Geral de Proteção de Dados, para promover a responsabilização e a punição dos envolvidos”.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados e a Secretaria Nacional do Consumidor já se manifestaram sobre o caso.

A Polícia Federal investiga a origem do vazamento que afetou milhões de brasileiros, além de autoridades como o presidente Jair Bolsonaro e ministros do Supremo Tribunal Federal.