O Instagram estabeleceu uma série de recomendações para criadores de conteúdo, alertando-os de que o algoritmo da rede deixará de promover vídeos do Reels que sejam republicações de material do TikTok. A informação foi confirmada por uma das contas da empresa.

A rede social do Facebook também estabeleceu algumas dicas de conteúdos que tragam potencial de viralização, como filmar sempre com o smartphone em disposição vertical, usar somente as bibliotecas de áudio e sons do próprio Instagram Reels ou que o próprio criador tenha produzido e criar “tendências” que façam com que outras pessoas interajam com o seu conteúdo.

publicidade

“Estamos criando material com base no que aprendemos da [aba] Explorar para recomendarmos vídeos divertidos e criativos em locais como a aba Reels, e personalizar a experiência [do usuário]”, disse ao The Verge, via e-mail, a porta-voz Devi Narasimhan. “Estamos melhorando no uso de sinais de ranqueamento que nos ajudam a prever se as pessoas vão achar aquele ‘reel’ divertido e se deveríamos recomendá-lo”.

Instagram quer ser fonte de virais

Segundo a porta-voz, o Instagram determinou que as pessoas têm uma experiência inferior de entretenimento quando os vídeos assistidos são “material reciclado” de outras redes ou se apresentam com vídeo mais ofuscado.

Embora ela não tenha citado expressamente o TikTok, a prática de publicar vídeos primeiro no app da chinesa ByteDance, para depois compartilhá-lo pelo Instagram Reels, é bem comum, ainda que o resultado final seja uma queda na qualidade do vídeo.

O Instagram Reels foi lançado seis meses após o TikTok, no intuito de competir pela viralização de vídeos rápidos verticais. Imagem: Instagram/ByteDance/Divulgação

Consequentemente, Narasimhan disse que vídeos publicados desta forma não serão removidos nem impedidos, mas também não contarão com o auxílio do algoritmo do Instagram.

Com a medida, o Instagram torna a apostar no Reels como um ponto de viralização para concorrer diretamente com o TikTok. Do ponto de vista dos negócios, faz sentido: não seria bom para a rede social que a função servisse de repositório de vídeos já publicados em outro lugar. Os criadores é quem provavelmente terão mais trabalho para dividir seu foco em duas frentes ao invés de uma.

Via: The Verge