A Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) aprovou na noite desta quarta-feira (10) um Projeto de Lei que prevê multa de até R$ 100 mil para quem furar a fila de vacinação contra a Covid-19 no estado.

A aprovação do projeto será divulgada no Diário Oficial do Estado de São Paulo ainda nesta quinta-feira (11) e passará a aguardar a sanção do governador João Doria (PSDB)

publicidade

Os autores do projeto são os deputados estaduais Heni Ozi Cukier (Novo) e Gilmaci Santos (Republicanos). E, além de quem furar a fila, o PL também pretende responsabilizar quem aplicar doses em pessoas que não deveriam ser imunizadas e os supervisores hierárquicos caso seja comprovado o consentimento deles no ato, com o valor das multas variando entre os envolvidos. 

O agente público que aplicar a vacina pode ser multado em até R$ 25 mil, pessoas que furaram a fila e tomaram a vacina de maneira irregular podem pagar até R$ 50 mil e caso a pessoa que fura a fila seja um agente público, como um prefeito, vereador ou secretário municipal ou estadual, o valor poderá atingir R$ 100 mil. 

Idoso sendo vacinado dentro de carro - Foto: Governo do Estado de São Paulo
Idoso sendo vacinado dentro de carro. Foto: Governo do Estado de São Paulo

Plano de vacinação de idosos

Também nesta quarta-feira (10), o Governo do Estado de São Paulo anunciou que a vacinação de idosos com idade entre 80 e 84 anos contra a Covid-19 está prevista para começar no dia 1º de março, ampliando a abrangência do Plano Estadual de Imunização (PEI). 

Além da nova faixa agregada ao PEI, a gestão de João Doria anunciou a antecipação da vacinação de idosos entre 85 e 89 anos, que terá início na próxima sexta-feira (12). A data prevista originalmente para o início da imunização de pessoas nesta faixa era a próxima segunda-feira (15). 

Até o momento, segundo o painel Covid-19 Brasil, mais de 1 milhão de pessoas já foram vacinadas no estado de São Paulo. Com isso, o estado é, proporcionalmente, o quinto que mais vacinou pessoas no país, com 2,37% da população imunizada. 

Via: CNN Brasil 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!