EnglishPortugueseSpanish

O Google se juntou ao Fundo Europeu de Investimento e a outras organizações na Ásia e América Latina para oferecer US$ 75 milhões (cerca de R$ 405 milhões na conversão atual) em financiamentos de pequenas empresas que sofreram o impactado da pandemia do coronavírus.

A empresa dividirá os investimentos em dois fundos do FEI, totalizando 15 milhões de dólares em empréstimos para mil pequenas empresas europeias e outros US$ 10 milhões para o fundo de capital de risco que apoia 200 empresas de ciências biológicas.

publicidade

O FEI faz parte do Banco Europeu de Investimento, o principal braço de empréstimos da União Europeia.

sede do Banco Europeu de Investimento
Banco Europeu de Investimento. Imagem: Nitpicker/Shutterstock

O Google também criou um fundo de empréstimo de US$ 26 milhões com a Kiva, uma organização de empréstimos coletivos, a fim de ajudar empresas na África, Oriente Médio e Indonésia. Também foram reservados US$ 15 milhões para empresas indianas.

Na América Latina, o Banco Interamericano de Desenvolvimento foi o escolhido pela Google para receber US$ 8 milhões destinados apenas a pequenas empresas.

Além de pequenas empresas, Google investe em caçadores de bugs

O Google anunciou no início do mês que pagou mais de US$ 6,7 milhões (cerca de R$ 35 milhões) em recompensas para os chamados “caçadores de bugs”, pesquisadores em segurança digital, que enviam relatórios de vulnerabilidade sobre os produtos da empresa em 2020. Este montante foi dividido entre 662 profissionais de 62 países.

O valor é cerca de 3% maior ao que foi pago em 2019, quando a gigante do Vale do Silício pagou US$ 6,5 milhões (R$ 34 milhões). Com isso, o valor pago em 2020 é o maior prêmio já oferecido pelo Google.

A maior parte das premiações foram concedidas através do Chrome VRP (Vulnerabilities Rewards Program ou Programa de Recompensas para Vulnerabilidades do Chrome, em tradução livre), que distribuiu mais de US$ 2,1 milhões (R$ 11 milhões) para pesquisadores de segurança por 300 bugs identificados no navegador, cerca de 30% do total.

Via: Reuters

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!