EnglishPortugueseSpanish

O asteroide 99942, mais conhecido como Apophis, passará perto da Terra nesta sexta-feira (5) e poderá ser vista por telescópios do mundo inteiro. O site Virtual Telescope Project irá transmitir a passagem do asteroide ao vivo, no YouTube, a partir do link abaixo.

A transmissão começa daqui a pouco, às 21h (horário de Brasília). Confira:

publicidade

Mas controle suas expectativas: não espere ver uma rocha enorme e cheia de crateras bem de pertinho, como nos filmes. Devido à distância, mesmo com nossos telescópios mais poderosos provavelmente não conseguiremos ver mais que um pontinho se movendo entre as estrelas.

Ainda assim, é um evento digno de nossa atenção. No mínimo, você terá uma melhor noção da escala das coisas no universo, e entenderá como as palavras “perto” ou “longe” podem significar coisas totalmente diferentes, dependendo do ponto de vista.

Por que Apophis é interessante?

Apohis é um PHO (Potentially Hazardous Object, Objeto Potencialmente Perigoso) nome dado a quaisquer objetos, sejam asteroides ou cometas, cuja órbita intersecte a da Terra a uma distância mínima de 7,5 milhões de quilômetros (19,5 vezes a distância entre a Terra e a Lua) e tenham um diâmetro de cerca de 140 metros ou mais.

O asteroide tem em média cerca de 340 metros de diâmetro e 450 metros de comprimento e pesa 41 milhões de toneladas. Se atingisse nosso planeta, liberaria a energia equivalente a 60 mil bombas de Hiroshima, capaz de devastar milhares de quilômetros quadrados e causar dezenas de milhões de mortes. Fica fácil entender porque ele recebeu o nome de Apophis, o Deus egípcio do caos e da destruição.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 3Yaj1H_ZOLmdRD2RDJCEqeGaPpPApeTTEU_8_f3CjefLeHwnWROXMZKaV0NOYV68bHM7nADNaITYbAVFh2-k8JGGL-RIKVoEcpeGd-ECTrRltjpCOAJvRBK09BklC8O5Xr8YBj-y
Aproximação do Apophis em 2029 passando bem perto dos satélites geoestacionários (pontos azuis). Imagem: NASA/JPL-Caltech

Apophis é interessante pois fará uma passagem extremamente próxima de nosso planeta em 13 de abril de 2029. Nesta data, ele passará a uma distância de cerca de 31 mil km de nós, o que é mais próximo do que os satélites em órbita estacionária (geossíncrona), que ficam a 35 mil km. Será o bastante para podermos observá-lo a olho nu em alguns locais do planeta.

Uma segunda probabilidade de impacto em 13 de abril de 2036 foi eliminada, mas ainda há uma chance em 380 mil (ou 0,00026%) de colisão em 12 de abril de 2068, calculada com dados obtidos em janeiro deste ano. Como cada passagem por nosso planeta influencia a órbita do asteroide, as observações nestes momentos são cruciais para coletar dados mais precisos a respeito da órbita e das características físicas de Apophis.

Desvio esperado na trajetória do Apophis provocado pela interação gravitacional com a Terra durante a aproximação de 2029. Imagem: NASA/JPL

Tudo isso servirá como uma preparação para 2029, quando será necessário medir, com a maior precisão possível, os efeitos desta aproximação na órbita do asteroide. Qualquer mínima variação inesperada pode afastar definitivamente o risco de impacto, ou colocar o Apophis em rota de colisão com a Terra em 2068.

*Com informações de Marcelo Zurita