EnglishPortugueseSpanish

Uma divisão da Alphabet (empresa que controla o Google) chamada ‘X’, que trabalha em ambiciosos projetos a longo prazo chamados “moonshots”, está desenvolvendo um aparelho para dar superaudição para humanos normais. O projeto tem o codinome “Wolverine”, em referência a um dos poderes do personagem da Marvel.

Segundo a Business Insider, o projeto começou em 2018. O objetivo é criar uma forma de “incrementar” a audição humana permitindo, por exemplo, a “segregação de fala”. Ou seja, a capacidade de focar na voz de apenas uma pessoa em uma sala lotada e cheia de conversas.

publicidade

Um dos principais desafios, segundo quatro fontes anônimas com conhecimento do projeto, é integrar e posicionar corretamente vários microfones em algo que possa ser usado confortavelmente. O aparelho já passou por múltiplos protótipos e formas, de algo que cobria as orelhas a um modelo similar aos fones de ouvido intra-auriculares.

Jovem mulher usando um aparelho auditivo
Para que seja bem aceito pelo público, Wolverine terá que ser tão discreto quanto um aparelho auditivo moderno. Imagem: Dmytro Khlystun / Shutterstock

Quem está por trás do projeto?

O projeto é liderado por Jason Rugolo, ex-diretor da Arpa-E (divisão de projetos de pesquisa avançados para energia do governo dos EUA) que se juntou à X em 2017. A estratégia de mercado estaria a cargo de Raphael Michel, fundador da fabricante de aparelhos auditivos Eargo. O líder técnico seria Simon Carlile, ex-vice-presidente da Starkey Hearing Technologies.

A X foi criada para identificar e explorar novas oportunidades de negócios focadas em grandes problemas. Entre seus frutos estão a Waymo, empresa que desenvolve um sistema de táxis autônomos, e a recém-fechada Loon, que desenvolvia uma forma de usar balões para levar internet rápida para locais remotos do planeta.

A capacidade de Rugolo de “vender” a idéia do Wolverine para altos executivos da X coloca o projeto em uma posição favorável na empresa. Ainda assim, não há nenhuma garantia de que ele chegará ao público consumidor. Para sobreviver, ele terá que demonstrar que tem uma estratégia de negócios viável e potencialmente lucrativa. 

Fonte: Business Insider