Nesta semana, a fabricante de pneus Bridgestone afirmou que oferecerá US$ 100 aos funcionários para estimular a vacinação contra a covid-19.

A empresa ressalta, no entanto, que a vacinação em si não é uma ação obrigatória imposta pela empresa – por isso o valor funcionaria como um incentivo.

publicidade

A Bridgestone afirmou também, em comunicado, que o dinheiro foi pensado para cobrir possíveis custos atrelados à vacinação, como transporte para deslocamento até o local da aplicação, bem como um valor referente às horas de trabalho perdidas em decorrência da ausência do funcionário no período.

Bridgestone logo
Fabricante de pneus irá conceder incentivo financeiro para todos os seus 33 mil funcionários nos EUA. Crédito: MDart10/Shutterstock

A fabricante de pneus, que possui 33 mil colaboradores sob sua responsabilidade no país, se uniu a outras empresas dos Estados Unidos em um esforço para incentivar a imunização.

publicidade

A ideia é que a iniciativa se estenda também às unidades fabris em outras regiões, como Canadá e América Latina.

Imunização no Brasil

publicidade

Na última terça-feira (9), o Senado aprovou um Projeto de Lei (PL 534/2021) que tem como objetivo autorizar a importação e distribuição de vacinas por pessoas jurídicas, em caráter excepcional e temporário.

As organizações poderão adquirir as doses diretamente das farmacêuticas, em uma iniciativa que visa ampliar os esforços de imunização em solo nacional.

publicidade

O projeto seguiu em caráter de urgência e foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro na quarta-feira (10). A ideia é que as doses compradas sejam, primeiramente, doadas integralmente ao SUS em prol da imunização prioritária dos grupos de risco.

Depois de concluída esta etapa, as empresas poderão usar a autorização concedida pelo governo para ficar com metade das doses adquiridas, as quais eles poderão usufruir e distribuir, desde que de forma gratuita. A outra metade deverá ser doada novamente ao SUS.

Além da lei recém-instaurada, de autoria do presidente da Casa Rodrigo Pacheco, um segundo PL (507/2021) está em tramitação e visa permitir a compra de vacina por empresas, para que seja possível a vacinação de funcionários.

Esse segundo projeto é de autoria do senador Nelsinho Trad (PSD-MS) e prevê instituir o Programa de Vacinação dos Trabalhadores (PVT). Dessa forma, empresas poderão destinar vacinas especificamente para a imunização de seus funcionários e colaboradores, deduzindo no imposto de renda a parcela referente às despesas comprovadamente realizadas.

Via: APNews, Agência Senado e Agência Brasil.