Em janeiro deste ano, pesquisadores publicaram na revista científica Neotropical Ichthyology a descoberta de uma nova espécie de peixe nos rios do Distrito Federal (DF). O animal ganhou o nome de Characidium onca pela coloração de suas escamas, uma mistura de preto e dourado que lembra a pelagem das onças-pintadas.

A nova espécie é considerada de pequeno porte e vive apenas no fundo do Córrego da Taquara, o que significa que ela já surge criticamente ameaçada para ciência, segundo os pesquisadores.

publicidade
Imagem da nova espécie de peixe descoberta no DF.
Pesquisadores do IBGE descobrem nova espécie de peixe no DF. Imagem: Divulgação/IBGE

O peixe está sendo monitorado por biólogos desde sua primeira coleta, em 1984. Mas a classificação da espécie só foi possível através do trabalho feito dentro da reserva ambiental do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) pelo biólogo e servidor do instituto Mauro Lambert Ribeiro, junto com os pesquisadores Marcelo Melo, da Universidade de São Paulo (USP) e Flávio Lima, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

“Essa espécie é muito importante ecologicamente porque ela é extremamente sensível a qualquer alteração no ambiente. A existência dela na reserva indica que o ambiente está equilibrado e que os espaços aquáticos estão bem preservados”, disse Lambert ao portal G1.

A Reserva Ecológica do IBGE foi criada em 1975 e fica a 25 quilômetros do centro de Brasília. O local é alvo de diversas pesquisas por abrigar diversos ecossistemas e mais de 4 mil espécies. De todas essas, 61 estão sendo ameaçadas de extinção, enquanto outras 91 são endêmicas do Cerrado, ou seja, exclusivas dessa região.

Leia mais!

Para o biólogo Lambert, as pesquisas feitas pelo IBGE na reserva têm como objetivo conhecer a biodiversidade do local, formando coleções, que são um tipo de banco de dados físico das espécies.

“Ter a reserva é um ativo para se fazer pesquisa no Cerrado, em um ambiente protegido, e depois comparar com os ambientes alterados pela agricultura, pelas represas e pelas áreas urbanas”, afirmou Lambert. O biólogo ainda complementou sua fala dizendo que dessa maneira é possível entender as mudanças do bioma quando acontecem intervenções.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!