EnglishPortugueseSpanish

A fabricante de acessórios gamers Razer estabeleceu um novo recorde próprio, atingindo US$ 1,2 bilhão (R$ 6,65 bilhões na conversão direta) de faturamento no ano de 2020. É a primeira vez que a marca atinge esse valor – mesmo em um ano marcado pela pandemia da Covid-19 e práticas de quarentena em vários países.

A empresa atribui a isso, inclusive, o seu sucesso. Com políticas de isolamento social colocando as pessoas dentro de casa, a demanda por periféricos de computador cresceu consideravelmente – uma área onde a Razer tem ampla experiência.

publicidade

Os números divulgados refletem essa percepção: a divisão de acessórios teve alta de 51,8% em faturamento em 2020 em relação ao ano anterior. Com esses números, a Razer disse que “não apenas” manteve “a posição de líder do setor nos EUA, Europa, China e mercado pacífico-asiático”, como também conseguiu tirar ainda mais da fatia da indústria de seus concorrentes diretos.

Leia mais

Imagem de um mouse da fabricante Razer, que teve faturamento recorde acima de um bilhão de dólares em 2020
Desempenho da Razer em 2020 foi do prejuízo ao lucro recorde, com a empresa atingindo faturamento bilionário em plena pandemia. Imagem: Syafiq Adnan/Shutterstock

Outra boa notícia é a de que a Razer conseguiu, com esse recorde, reverter uma posição desfavorável: no início de 2020, a empresa registrou prejuízo semestral de US$ 17,7 milhões (R$ 97,85 milhões). Ao final do mesmo ano, a empresa obteve US$ 800 mil (R$ 4,42 milhões) a mais que o esperado, fechando dezembro de 2020 com US$ 600 milhões (R$ 3,31 bilhões) em caixa, com zero dívidas.

No que tange a software, a Razer não divulgou detalhes expressos, mas disse que sua divisão de serviços digitais – onde inclui iniciativas como a Razer Fintech – teve faturamento de US$ 128,4 milhões (R$ 709,9 milhões) – um crescimento de 66,8%.

Segundo a Razer, as dificuldades do primeiro semestre de 2020 se deram pela inesperada alta na demanda por componentes periféricos. Essa realidade ainda persiste quando falamos de processadores e chipsets (por isso, por exemplo, que o PlayStation 5 e o Xbox Series X seguem em falta pelo mundo), mas outros dispositivos conseguiram contornar o problema, ajudando a empresa a recuperar suas perdas rapidamente.

Fonte: GamesIndustry