No final de fevereiro deste ano, uma competição internacional de salto a cavalo em Valência, na Espanha, precisou ser cancelada de maneira inesperada por um novo surto viral que adoeceu dezenas de cavalos. Porém, os responsáveis pelo evento não imaginavam que a nova doença deixaria pelo menos 17 cavalos mortos e submeteria alguns ao aborto e cirurgia para reparação de danos em órgãos.

O evento foi encerrado e os cavalos sobreviventes voltaram para casa antes que os pesquisadores pudessem descobrir o vírus causador dos problemas, um patógeno conhecido como herpesvírus equino tipo 1 (EHV-1). E para evitar que os 600 cavalos que voltaram para casa espalhassem ainda mais o vírus, a Federação Internacional de Esportes Equestres (FEI, na sigla em inglês) decidiu por cancelar todos os eventos europeus e até a Copa do Mundo até meados de abril.

publicidade
Cavalo doente
Um cavalo que sofre de sintomas neurológicos causados ​​por EHV-1 é tratado em Valência, Espanha. Imagem: Universidade CEU Cardenal Herrera

Os cientistas estão procurando explicações para a nova variante do EHV-1 pois o vírus já era conhecido, mas produzia sintomas mais brandos. A primeira suspeita levantada é que a própria vacina contra o EHV-1 pode ter papel fundamental nessa agravação da doença que atinge principalmente éguas. “Nossa prioridade deve ser lidar com o impacto imediato desse terrível vírus”, afirmou para A Science, Goran Akerstrom, diretor veterinário da FEI.

Para os pesquisadores, as condições do alojamento dos cavalos no evento em Valência, na Espanha, tenham propiciado o surto de EHV-1. Segundo relatos, os cavalos haviam sido alocados em baias próximas e apertadas e isso facilita a transmissão do vírus que se espalha por gotículas exaladas.

“Tudo o que é necessário é que um cavalo portador de um vírus latente tenha algum tipo de estresse e seu vírus seja ativado e comece a se espalhar”, relatou o especialista em doenças equinas Lutz Goehring, da Universidade de Munique Ludwig Maximilian.

Veja também!

Logo no início da contaminação os animais doentes foram levados ao hospital equino de Universidade CEU Cardenal Herrera e os veterinários do local relatam cansaço excessivo ao ter que cuidar de aproximadamente 20 cavalos simultaneamente. Um dos veterinários chegou a afirmar que depois dessa experiência consegue entender o que os médicos que cuidam de pacientes de Covid-19 passam nos hospitais lotados.

As infecções pelo vírus geralmente causam febre e doenças respiratórias leves, em poucas situações um aborto. Mas uma variante preocupante, apelidada de tipo 1, vem causando danos neurológicos nos animais, tornando-os incapazes de se manter em pé. Em situações comuns, menos de 15% dos animais infectados apresentam esses sintomas, mas 40% dos cavalos do evento em Valência demonstraram danos neurológicos, sendo que 80% eram éguas.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!