Passar uma grande parte do dia usando redes sociais é algo relativamente normal. Estatísticas apontam que um usuário médio passa em torno de duas horas checando o WhatsApp, o Facebook ou o Instagram, o que faz muitas pessoas se definirem como “viciados em redes sociais”. 

Mas especialistas defendem que o termo “vício” pode não estar sendo aplicado corretamente, já que, para ser considerada uma viciada, uma pessoa precisa apresentar três, digamos, sintomas. São eles a compulsão, o aumento da tolerância e a abstinência. 

publicidade

A compulsão se dá quando o usuário de alguma substância não consegue controlar suas vontades e precisa dela sempre. Depois disso, vem a tolerância, que consiste na necessidade de doses cada vez mais altas para se obter um mesmo efeito. 

Leia também: 

Por fim, vem a abstinência, que são efeitos colaterais apresentados pelo corpo quando o uso daquela substância é interrompido de uma hora para a outra. Esses fatores são facilmente compreendidos em uso de drogas, mas se aplicam no uso de mídias sociais? 

Psicólogos acreditam que não

Uso excessivo de redes sociais pode desencadear problemas sérios, como distúrbios de imagem. Créditos: Freepik

Psicólogos ouvidos pelo Medical Xpress não acreditam que “vícios comportamentais”, que são onde o vício em excessivo das redes sociais estaria enquadrado, são causadores de danos em potencial, mas não são propriamente vícios.

Algo que fortalece este argumento é o fato de que o uso crônico de mídias sociais não está enquadrado como um vício no guia da Associação Americana de Psiquiatria, uma das maiores referências no tema.

Porém, existem sim males que podem ter relação com muito tempo de tela. Entre eles, está o controle de como as pessoas se apresentam umas para as outras, que pode ser entendido como uma perda de personalidade. 

Em uma pesquisa de 2016, psicólogos descobriram que pessoas que são muito expostas à influência das redes sociais costumam sentir um grande desejo por ser magro. Isso, pode desencadear o desenvolvimento de distúrbios de imagem, como anorexia, vigorexia e bulimia.

Os especialistas também defendem que, na medida que o uso das redes sociais aumenta, a autoestima dos usuários tende a diminuir. Mas nada disso é indicativo que quem passa muito tempo em frente às telas é um compulsivo.

Apesar de não serem exatamente viciantes, as redes sociais não são exatamente inofensivas. Portanto, é importante sempre tentar manter o equilíbrio e utilizá-las com moderação para evitar que elas causem problemas reais e que podem até levar a vícios de fato.

Com informações do Medical Xpress 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!