No mês de março, 66.868 brasileiros perderam a vida em decorrência da pandemia da Covid-19. O número representa o dobro do total de julho de 2020, que era, até então, o pior mês da doença no Brasil, com 32.912 mortes. Os dados são das Secretarias Estaduais de Saúde e foram apurados pelo consórcio de veículos de imprensa.

Covid-19 matou quase 70 mil brasileiros em março
Covid-19 matou quase 70 mil brasileiros em março.
Créditos: Shutterstock.com

Março é o quarto mês consecutivo em que as mortes do mês superam as do mês anterior – fevereiro teve 30.484 óbitos, 21% de todas as mortes registradas no Brasil até agora. Em março de 2020, no começo da pandemia, o país declarou o falecimento de 202 pessoas.

publicidade

O colapso da Saúde chegou mais cedo no Sul. Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul foram os primeiros a alcançar, em apenas três meses, mais óbitos por Covid-19 do que em todo o ano de 2020. Os últimos estados a ultrapassarem a marca foram Espírito Santo e Roraima, ambos na última quarta-feira (31).

Confira o número de mortos nos 18 estados que bateram o recorde:

Acre: 264 mortes

Bahia: 3.511 mortes

Distrito Federal: 1.191 mortes

Espírito Santo: 1.095 mortes

Goiás: 3.178 mortes

Mato Grosso: 1.869 mortes

Mato Grosso do Sul: 958 mortes

Minas Gerais: 5.767 mortes

Paraíba: 1.248 mortes

Paraná: 5.019 mortes

Piauí: 790 mortes

Rio Grande do Norte: 922 mortes

Rio Grande do Sul: 7.344 mortes

Rondônia: 1.293 mortes

Roraima: 246 mortes

Santa Catarina: 3.527 mortes

São Paulo: 15.159 mortes

Tocantins: 506 mortes

Leia mais!

Previsão para o futuro

Especialistas em saúde preveem que o mês de abril também será trágico, com hospitais saturados e médicos escolhendo quem receberá atendimento. “Superamos os Estados Unidos em número de mortes. Nunca um evento gerou tantas mortes em trinta dias no Brasil”, afirma o médico Miguel Nicolelis, coordenador da Comissão Científica formada pelos estados do Nordeste para enfrentar a pandemia.

A previsão da Rede Análise Covid, que reúne especialistas de diferentes áreas para interpretar os dados oficiais sobre a pandemia, também é de que o número de mortes diárias chegue a 4.000.

A análise coincide com uma avaliação feita pela Fiocruz de que “o Brasil vive o maior colapso sanitário e hospitalar da história”. Segundo a fundação, medidas severas de restrição de circulação devem ser adotadas imediatamente.

Pela primeira vez desde o início da pandemia no país, os números de novos casos e mortes crescem exponencialmente em todos os estados, “indicador que mostra como a doença está fora de controle”, de acordo com o cientista Isaac Scharstzhaup, coordenador da Rede Análise Covid.

Fonte: G1