EnglishPortugueseSpanish

Um estudo feito pela Kaspersky, companhia especializada em cibersegurança, mostrou que em 2020 mais da metade dos brasileiros vítimas de ransomware (56%) pagaram pelo “resgate” dos seus dados. Ainda assim, somente três em cada dez conseguiram a devolução com sucesso.

Curiosamente, a pesquisa revela que os mais novos são os que mais pagam por esse resgate solicitado pelos criminosos. Dois terços dos 15 mil entrevistados entre 35 e 44 anos, e 52% dos participantes na faixa etária de 16 a 24 anos, admitiram ter feito algum pagamento. A má notícia é que apenas 16% dos brasileiros afetados conseguiram recuperar seus arquivos bloqueados.

publicidade

No fim, 80% sofreram algum tipo de perda: 44% não conseguiram recuperar uma quantidade significativa de arquivos, 20% perderam poucos dados, já outros 16% tiveram o pior desfecho possível, perderam tudo após o ataque.

Segurança digital
Pesquisa da Kaspersky revela dado preocupante sobre as vítimas de ataques ransomware no Brasil. Imagem: WhataWin/iStock

Esse tipo de golpe, que aumentou 311% até o fim do ano passado, é usado por cibercriminosos justamente para extorquir dinheiro das vítimas. Utilizando a criptografia, mesma tecnologia que protege as conversas em aplicativos como o WhatsApp, os golpistas bloqueiam o acesso a um determinado dispositivo após a vítima executar um arquivo malicioso. Para realizar o desbloqueio, é preciso pagar uma certa quantia.

Leia mais:

Fabiano Tricarico, diretor de consumo da Kaspersky para a América Latina, recomenda que as vítimas não paguem o resgate, pois o pagamento não é garantia da devolução dos dados. “Na verdade, ao efetuá-lo, observamos o efeito contrário, pois o criminoso saberá que os arquivos são valiosos e isto motivará que eles ataquem a mesma vítima seguidamente. (…) Impedir o ataque ou fazer com que ele não seja lucrativo é a melhor maneira de fazer com que os criminosos percam o interesse neste golpe”, afirmou.

Como se proteger de ataques ransomware

Para que esse ataque deixe de ser atraente aos cibercriminosos, é preciso aumentar a consciência do público sobre o problema. Segundo a pesquisa da Kaspersky, 56% dos entrevistados nunca tiveram acesso a nenhuma informação sobre o golpe virtual.

Algumas dicas que podem auxiliar contra esta ameaça são:

  • Não pague o resgate, mesmo que o dispositivo tenha sido bloqueado, já que o pagamento apenas incentivará a prática de novos golpes
  • Tente descobrir o nome do programa que infectou seu dispositivo. Essa informação pode ajudar a descobrir como desbloquear seus arquivos
  • Evite clicar em links suspeitos em e-mails e não abra anexos de remetentes desconhecidos
  • Nunca insira pendrives ou dispositivos de armazenamento em seu computador se não souber de onde vieram

Por fim, talvez a recomendação mais importante seja fazer backups regulares de seus dispositivos. Dessa forma, seus dados vão estar sempre seguros.

Fonte: Kaspersky