O Brasil entrou na pior fase até o momento da luta contra a Covid-19. Com picos de mais de 4 mil mortes por dia, o país viu um aumento de 10% dos óbitos por coronavírus em uma semana. Foram registradas 19.643 novas mortes, contra 17.798 confirmadas na semana anterior. A média móvel de mortes, dos últimos sete dias, foi de 2.806.

Segundo dados do Ministério da Saúde, as mortes começaram a aumentar de forma mais expressiva a partir do final do mês de fevereiro, parte mais crítica da pandemia de coronavírus. Em questão de um mês os casos diários dobraram. No gráfico abaixo é possível ver o número de óbitos entre as últimas semanas de 2020 e as primeiras de 2021.

publicidade
Fonte: Ministério da Saúde

Apesar do aumento nas mortes, os casos confirmados tiveram uma redução. Na semana 13 foram registrados 463.235 novos diagnósticos contra 539.903 do período anterior. Como as mortes chegam semanas após as infecções, essa diminuição, caso se mantenha, pode resultar em um cenário melhor nas próximas semanas.

Fonte: Ministério da Saúde

Mortes por coronavírus

Segundo o último boletim epidemiológico, apenas o Mato Grosso do Sul registrou aumento de casos, com 11%. Outros seis ficaram estáveis enquanto as quedas mais acentuadas foram vistas no Paraná (39%) e Goiás (38%).

Com relação as mortes, 14 estados tiveram um aumento, os maiores foram no Rio de Janeiro, com 59% e Minas Gerais com 35%. Oito estados tiveram redução, as mais intensas no Amazonas, com menos 26% e Rio Grande do Norte, com 24%. Outros cinco estados ficaram estáveis.

Leia mais:

A semana também consolidou o Brasil como o país com mais mortes por coronavírus no período. Os números daqui foram mais do que o triplo das vidas perdidas nos Estados Unidos, que tiveram 5.832. Em seguida vêm Índia com 3.071, Itália 3.068 e Polônia 2.984.

Fonte: Ministério da Saúde

No entanto, o Brasil deixou de ser o país com mais novos casos, dando lugar à Índia, com 513.885. Logo depois vêm os Estados Unidos, com 452.394, a Turquia, com 265.937 e a França, com 233.381.

Via Agência Brasil

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!