EnglishPortugueseSpanish

Um novo tratamento contra Covid-19 está sendo desenvolvido pela Regeneron. A farmacêutica testa um coquetel de anticorpos monologais, que pode ser eficaz em evitar sintomas graves da doença e até mesmo evitar que a pessoa seja contaminada.

A empresa já havia feito um estudo preliminar no fim do ano passado e em janeiro desse ano. Na ocasião, dos 223 pacientes que faziam parte do grupo placebo, 8 acabaram desenvolvendo sintomas, enquanto entre os voluntários que receberam o remédio, nenhum manifestou sintomas.

publicidade

Coquetel da Regeneron

Agora, os testes foram bem mais amplos e utilizaram 1500 voluntários que moravam com parentes infectados pelo vírus. O grupo que recebeu uma injeção com o coquetel da Regeneron teve 81% menos de chances de desenvolver sintomas da doença quando comparado a quem recebeu placebo.

Leia também: 

O coquetel da Regeneron, que incluía 1,2 grama de casirivimab e imdevimab aplicados por meio de injeção, parece proporcionar proteção temporária contra o vírus, diferente de uma vacina, que treina o organismo para conseguir combater uma infecção por conta própria. A empresa crê que o medicamento pode ser útil para indivíduos imunocomprometidos, que têm dificultadas para produzir respostas imunológicas por conta própria, ou então para aqueles que, por quaisquer motivos, não podem ser vacinados, como alergias.

Nos primeiros testes, a Regeneron também disse que quem recebeu seu medicamento se curou mais rápido da infecção, com nenhum dos casos durando mais de uma semana, enquanto o grupo placebo teve 40% das infecções durando entre três e quatro semanas. As cargas virais também foram muito mais altas entre quem não recebeu o tratamento, com picos até 100 vezes maiores na comparação com quem recebeu o coquetel de anticorpos.

O próximo passo agora é pedir o registro para uso emergencial do medicamento à FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos EUA. O coquetel da Regeneron foi usado pelo ex-presidente americano Donald Trump, durante seu tratamento quando o vírus. Na época, o custo do medicamento foi avaliado entre US$ 1.500 a US$ 6.500 (algo na faixa de R$ 8.600 e R$ 37.200 em conversão direta).

Via O Globo

Para saber mais, acesse a reportagem do Olhar Digital.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!