EnglishPortugueseSpanish

O CEO em exercício da Ferrari, John Elkann disse a investidores que a montadora italiana irá lançar a “primeira Ferrari elétrica” em 2025. Segundo ele, os planos serão mantidos mesmo após a escolha do chefe executivo permanente da marca. 

“Continuamos a executar nossa estratégia de eletrificação de uma forma altamente disciplinada. E a nossa interpretação e aplicação dessas tecnologias tanto no esporte a motor quanto nos carros de rua”, disse Elkann aos investidores. “É uma grande oportunidade de levar a exclusividade e a paixão da Ferrari para as novas gerações”. 

publicidade

Os planos ferraristas para veículos elétricos já passaram por diversos estágios, desde executivos dizendo que nunca construiriam uma Ferrari, passando pela expectativa dos italianos serem os primeiros a construírem um supercarro movido à bateria (não foram), até a previsão mais realista, de que um carro elétrico da empresa chegaria, mas não antes de 2025. 

Leia também: 

Em 2019, a Ferrari apresentou o SF90 Stradale, seu primeiro supercarro híbrido, que marcou uma certa mudança da Ferrari em busca do nicho de mercado de veículos mais ecológicos. Em 2020, chegou ao mercado o SF90 Spider, que é uma versão conversível do modelo. 

“Criamos as maravilhosas conquistas técnicas e experiência de direção que são o SF90 Stradale e o SF90 Spider, nossos carros híbridos”, comentou Elkann. “Eles seguem a tradição mais refinada da Ferrari, tanto em seu estilo quanto em seu desempenho”, completou. 

Uma Ferrari mais verde

SF90 Stradale foi o primeiro híbrido saído da fábrica de Maranello. Crédito: Ferrari/Divulgação

Na mesma reunião, a Ferrari divulgou um relatório de sustentabilidade em que explicou quais serão suas medidas para se tornar uma companhia mais verde, mas sem perder sua essência. Para isso, a montadora pensa em maiores investimentos em motores híbridos e elétricos, assim como novos estilos de carroceria. 

Neste documento, o SF90 Stradale é descrito como a primeira aplicação de uma arquitetura com motor central traseiro. Esse tipo de desenho industrial permite um suporte mais adequado para o peso e posicionamento de um motor elétrico e bateria. 

A empresa também pincelou que pode entrar no mercado de direção autônoma, mesmo que ainda não tenha planos de construir carros autônomos em um curto prazo, a Ferrari diz que “adotará certas características da tecnologia de direção autônoma em resposta aos desenvolvimentos regulatórios e às preferências do cliente, especialmente no segmento supercarros”. 

Com informações do Engadget

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!