EnglishPortugueseSpanish

Oito temporadas, 73 episódios, recordista de prêmios Emmy e um verdadeiro vício mundial, ‘Game of Thrones’ é, indubitavelmente, uma das maiores histórias de sucesso da cultura pop da última década. E quiçá, de todos os tempos. Há 10 anos, o primeiro episódio da adaptação dos livros escritos por George R.R. Martin foi ao ar e conseguiu a façanha de mudar para sempre a cara da televisão. 

Com o passar dos episódios, ela transformou as noites de domingos em verdadeiros eventos. Embora uma legião de fãs ainda reclame nas redes sociais sobre o seu final, ou até mesmo de uma suposta “queda na qualidade” das últimas temporadas, pode se dizer que seu legado continua intacto.

publicidade

E em homenagem aos 10 anos da série, e para tentar explicar os motivos pelo qual ‘Game of Thrones’ ainda pode ser considerada um grande sucesso, o Olhar Digital separou 5 fatores responsáveis por tornar a saga da família Stark em um verdadeiro fenômeno.

Acompanhe.

O sucesso de Game of Thrones explicado em 5 tópicos

Produção caprichada 

Responda com sinceridade: você acha que o ‘Senhor dos Anéis’ filmado na União Soviética teria chance de competir com o sucesso da trilogia dirigida por Peter Jackson? Provavelmente não. Enquanto a produção Oscarizada do diretor neozelandês consegue fascinar o público com luxuosas ambientações, fotografia refinada e produção de alto nível, a versão soviética mais parece com uma paródia produzida pelo ‘Zorra Total’.

E é mesmo acabamento que também consegue atrair o público à Westeros. De acordo com Deborah Riley, a designer de sets da série da HBO, parte do sucesso foi um resultado da habilidade da produção de convencer o público de que os dragões e as montanhas de gelo gigantes eram tão reais quanto os dramas familiares dos Starks. Segundo ela falou ao The Sydney Morning Herald, “para fazer você acreditar nos dragões e lobos, o universo cercando-os ser crível e real.”, comenta. 

Natalie Dormer (Margaery Tyrell) em 'Game of Thrones'. Imagem: HBO/Divulgação
Para se ter ideia do tamanho da produção, por volta de seus últimos episódios, ‘Game of Thrones’ estava gastando por volta de US$ 15 milhões por episódio, conforme aponta a Variety. Imagem: HBO/Divulgação

Ao longo de 8 temporadas, ‘Game of Thrones’ gozou do privilégio de gravar cenas em diferentes lugares. Marrocos, Croácia, Reino Unido e Malta são só alguns dos destinos que abrigaram os castelos e o famigerado trono de ferro. E as locações extraordinárias somadas aos grandes efeitos, que só uma Warner Bros poderia oferecer, renderam alguns dos cenários e sequências mais icônicas do universo das séries. 

Uma salada mista de gêneros 

A história de ‘Game of Thrones’ é complexa, capaz de misturar temáticas e gêneros diversos. É um self-service em formato seriado. Existem núcleos que giram em torno da tragédia, outros servem como alívio cômico, assim como a produção destaca tramas que navegam pelo terror e intrigas políticas, e desembarcam no território de um drama familiar pesado — e repleto de nuances. 

Ou seja, tem opções para todo e qualquer público, elemento também responsável por catapultar WandaVision ao sucesso neste ano. Quanto mais você tem para oferecer aos espectadores, maior será o número de pessoas atraídas pelo desenrolar das histórias. E isso se converte em números de audiência recordistas, o que agradou bastante os executivos da HBO. 

Mais reviravoltas que uma novela mexicana

Se acha que o mocinho e a mocinha ficarão juntos no final do episódio, enquanto o “núcleo do mal” se esfarela no castelo de Dragonstone, esqueça! ‘Game of Thrones’ tem a habilidade de fazer a cabeça do público dar mais voltas que a da menina possuída em ‘O Exorcista‘. 

Pedro Pascal (Oberyn Martell) em 'Game of Thrones'. Imagem: HBO/Divulgação
Pedro Pascal (Oberyn Martell) em ‘Game of Thrones’. Imagem: HBO/Divulgação

Totalmente alheia a fórmulas convencionais, a equipe de roteiristas liderada por D.B. Weiss e David Benioff mudou o curso da narrativa destemidamente — e mais de uma vez —, desmistificou vilões, derrubou heróis e não poupou a morte de grandes personagens. 

“Todas essas mudanças fazem com que os espectadores morram de vontade de saber o que vai acontecer no próximo episódio”, disse Aaron Couch, redator do The Hollywood Reporter, à BBC Mundo.

Emilia Clarke até brincou com a imprevisibilidade do contrato dos atores em uma mesa redonda do The Hollywood Reporter. “No nosso set, o elenco fica à espera de ‘uma ligação’. Geralmente, os atores temem ser chamados para jantar com o Dan [D. B. Weiss] e David [Benioff], pois acham que vão receber a notícia da morte do seu personagem”, disse aos risos. 

E combinando todos os plot twists com doses cavalares de sexo e violência, D. B. e David conseguiram servir um prato viciante aos seus fãs. 

Leia também:

Mil e um personagens

Os habitantes de Westeros são outro grande motivo que explicam a popularidade da produção. Com tantas opções de personagem para se identificar e, principalmente, torcer, o público foi fisgado pelos homens, mulheres, crianças e criaturas do universo fantasioso de George R. R. Martin. 

Ao longo de oito temporadas, ‘Game of Thrones’ abocanhou 59 prêmios Emmy. 4 dessa coleção de estatuetas são da categoria de ‘melhor série drama’. Créditos da imagem: Shutterstock

A interação entre núcleos, heróis e mocinhos retratam com fidelidade os dilemas e relações que vivemos fora das telas. Segundo o estudo científico publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, pesquisadores descobriram que os números de personagens apresentados nos livros, e interação entre eles, é chegam perto dos números que um ser humano adulta conhece e interage ao longo de sua vida. 

“As interações entre os personagens é similar ao dos humanos na vida real. Os personagens principais interagem com aproximadamente 150 pessoas ao longo da narrativa. Mesmo número com o qual os nossos cérebros são cientificamente programados para ter de lidar”.  

Marketing

Já pensou em beber na caneca do Rei Joffrey, se vestir como Cersei ou voar com um dos dragões de Daenerys? Bom, tudo isso pode ser possível. Com alguns dólares, você pode adquirir os milhões de produtos licenciados da série. E o que não faltam são opções: entre DVDs, bonecos, álbuns de figurinhas, livros, mochilas, games, pelúcias e fantasias, trazer a realidade o mundo de ‘Game of Thrones’ para casa nunca foi tão fácil.

Até a Oreo resolveu surfar na onda promovida pela série e lançou um biscoito comemorativo na última temporada.

O sucesso de Game of Thrones: o (ainda) que vem por aí

A expansão do universo de ‘Game Of Thrones’ parece ser uma prioridade dentro da HBO. Para se ter uma ideia, até mesmo uma série animada ocorrida em Westeros está em desenvolvimento. Mas ao que tudo indica, pelo menos mais três séries devem entrar na lista. 

Duas produções já possuem títulos provisórios, são elas, ‘9 Voyages’, que também é chamada de ‘Sea Snake’ e ‘10.000 Ships’. A terceira ainda não possui um título, mas vem sendo chamada de ‘Flea Bottom’ por algumas publicações americanas. 

Enquanto essas séries ainda não saem do papel, a produção ‘The House of Dragon’, o primeiro spin-off anunciado da ‘Game of Thrones’, já está em andamento e deve ir ao ar em breve. Tanto é que o título já faz parte da divulgação oficial da expansão da HBO Max.

Mesmo com a fúria de diversos fãs com os momentos finais da série, o sucesso de ‘Game of Thrones’ é inquestionável. Aliás, uma coisa é certa: George R. R. Martin deve estar sentado em um pote de ouro, em algum lugar do mundo, neste exato momento.

Com informações do The Sydney Morning Herold, Variety, Digital Marketing Institute, ScreenRant e The Hollywood Reporter no YouTube.


Experimente o Disney+. Clique aqui e Assine agora!