Nesta segunda-feira (19), a Clubhouse encerrou uma rodada de investimentos serie C, cujo montante deve elevar o valor de mercado da startup para US$ 4 bilhões (aproximadamente R$ 22,1 milhões).

As estimativas são do TechCrunch, que ressalta que o valor do investimento recebido não foi divulgado – algo bastante incomum para uma empresa no estágio de desenvolvimento e de financiamento que está a Clubhouse.

publicidade

A rede social, no entanto, divulgou os investidores da rodada da vez. São eles: Andrew Chen, da Andreessen Horowitz, e participação da DST Global, Tiger Global e Elad Gil.

À frente, imagem mostra um smartphone com o logo do aplicativo Clubhouse; ao fundo, uma imagem de uma foto de perfil na rede social
O aplicativo de mensagens de áudio Clubhouse está cada vez mais popular e estima-se que seu valor de mercado atual chegou aos US$ 4 bilhões. Crédito: rafapress/Shutterstock

A Clubhouse foi lançada em 2020 e se valeu do quesito exclusividade para atrair um grande número de usuários. Com a pandemia, a empresa viu sua base de inscritos crescer exponencialmente, o que também atraiu não apenas investidores, mas a atenção de grandes concorrentes da tecnologia.

Inclusive, o fechamento da rodada de investimentos da Clubhouse coincide com o lançamento recente do novo aplicativo do Facebook, preparado para concorrer com a rede social de áudio: o Hotline.

Outras big techs também já anunciaram recursos semelhantes, como as salas de áudio do LinkedIn; e o Twitter, com o Spaces.

Mas, segundo informações do TechCrunch, que cita fontes anônimas próximas ao assunto, as negociações com a Clubhouse estão ocorrendo há mais de um mês e, além disso, há investidores que teriam acreditam que a empresa poderia chegar aos US$ 8 bilhões – o dobro do avaliado hoje. O Twitter, inclusive, teria discutido no início de abril a compra do Clubhouse pelos US$ 4 bilhões iniciais. Mas tudo ainda é especulação.

Veja também!

A Clubhouse ampliou em quatro vezes o tamanho da equipe nos últimos meses, lançou um recurso de pagamentos para ajudar criadores a monetizarem seus conteúdos dentro da plataforma e estão se preparando para lançar uma versão para Android.

“Não é nenhum segredo que nossos servidores tiveram um pouco de dificuldade nos últimos meses e que nosso crescimento ultrapassou os algoritmos de descoberta iniciais que nossa pequena equipe construiu originalmente”, disse a empresa, em nota, reforçando que, apesar dos desafios e melhorias contínuas, ainda pretende crescer muito mais.

Via: TechCrunch