Avaliado em US$ 2,4 bilhões, o aplicativo de aprendizado de idiomas Duolingo se prepara para sua oferta pública inicial (IPO). A empresa teria contratado o Goldman Sachs e o Allen & Company para liderarem a oferta a ser realizada até setembro, segundo fontes próximas ao assunto relataram ao Business Insider.

Em sua última rodada de financiamento, em novembro de 2020, o Duolingo captou US$ 35 milhões, elevando seu financiamento total para mais de US$ 183 milhões. Na época, o CEO da empresa, Luis Von Ahn, comentou a pretensão de realizar um IPO em 2021.

publicidade

Fundado em 2011, o Duolingo visa tornar a educação acessível a todos, com o ensino de novos idiomas. O aplicativo oferece atualmente 100 cursos em 39 idiomas gratuitamente e conta com cerca de 40 milhões de usuários ativos por mês. As aulas simples de três minutos do app são semelhantes aos jogos de telefone celular que recompensam os usuários com pontos e “tesouros”.

Luis Von Ahn, CEO do Duolingo, fundou a empresa em 2011. Foto: Divulgação/Duolingo

Cerca de 4% dos usuários do Duolingo pagam pelo serviço, respondendo por 80% a 85% da receita da empresa. O restante do faturamento da empresa é obtido principalmente de anúncios veiculados no final das aulas.

No Brasil, o Duolingo possui 30 milhões de usuários, que podem aprender os idiomas inglês, espanhol, francês, italiano, alemão e esperanto.

Leia mais!

Investimentos em alta

Outra empresa prestes a realizar seu IPO é a Didi Chuxing, principal nome no mercado chinês de compartilhamento de transportes e também dona da 99 no Brasil.

A oferta pública deve ser liderada pelo Goldman Sachs e Morgan Stanley e está prevista para julho. O pedido para abertura deve ser feito à Bolsa de Valores de Nova York (NYSE).

A empresa já recebeu aportes anteriores do SoftBank, Alibaba e Tencent, conhecidos gigantes asiáticos dos investimentos em tecnologia. E, se confirmado o IPO nos moldes especulados até o momento, a Didi pode chegar a um valor de mercado de pelo menos US$ 100 bilhões.

Via: Business Insider