Verões mais quentes, invernos mais frios, temperaturas médias mais altas e aquecimento dos oceanos são apenas algumas das alterações que as mudanças climáticas causam no mundo. A presença de árvores ajuda a amenizar a sensação, mas, infelizmente, ainda não será o suficiente para parar a alteração no clima.

A constatação é de um estudo do Imperial College London. “Não há árvores o suficiente para deslocar as emissões de carbono da sociedade, e nunca haverão”, escreveu a conferencista de mudança climática e meio ambiente Bonnie Waring, no The Conversation, que publica artigos acadêmicos.

publicidade

O ciclo é o mesmo: queimar (matas, petróleo) coloca dióxido de carbono na atmosfera. As árvores puxam o gás e trocam por oxigênio. Com as mudanças apertando cada vez mais a vida no planeta Terra, grandes corporações tendem a plantar mais árvores e recuperar matas, com o reflorestamento de áreas destruídas.

Mata em chamas em Itaipava, no Rio de Janeiro. Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil

Até ajuda, e toda ajuda é bem vinda, mas nunca será o suficiente para compensar o estrago que já foi feito. Só ganharíamos dez anos de atraso da mudança climática ao cobrir o planeta inteiro de florestas, tendo como base as taxas atuais de emissão de gases do efeito estufa.

Só que, com tanto carbono expelido, as árvores não conseguiriam dar conta da demanda. Isso tudo faz parte da pesquisa de Bonnie Waring, publicada em 2020 no Frontiers For Global Change. E há ainda outra problemática: árvores plantadas em locais onde aquele tipo não costuma existir espontaneamente pode liberar ainda mais carbono.

“Para evitar danos ambientais, precisamos parar de estabelecer florestas onde elas não pertencem naturalmente, evitar ‘incentivos perversos’ para desmatar florestas já existentes a fim de plantar novas árvores e considerar como as mudas plantadas hoje vão se sair nas próximas décadas”, escreveu a pesquisadora.

Leia mais:

As alterações no clima do planeta podem ter causas naturais, como “alterações na radiação solar e dos movimentos orbitais da Terra”, como explica a organização WWF. Mas, o que se experimenta agora é muito mais culpa da ação humana, de acordo com o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas.

Entre as atividades humanas que causam o aquecimento global estão a queima de combustíveis fósseis, atividades industriais e transportes, conversão do uso do solo, agropecuária, descarte de resíduos sólidos e desmatamento. Além do dióxido de carbono (CO2), o metano e óxido nitroso também contribuem para o efeito estufa.

“Como uma ecologista, eu me preocupo que uma perspectiva simplista sobre o papel das florestas na mitigação do clima leve inadvertidamente ao seu declínio”, completou Bonnie Waring.

Via: Futurism