A Nasa compartilhou os resultados de mais um teste de sucesso com o helicóptero Ingenuity, que fez seu terceiro voo em Marte neste domingo (25). A agência espacial norte-americana comemorou o feito no Twitter.

“Terceiro voo nos livros de história. Nosso #MarsHelicopter continua a estabelecer recordes, voando mais rápido e mais longe. O helicóptero espacial está demonstrando capacidades que podem permitir a adição de uma dimensão aérea a futuras missões a Marte e além”, diz o texto publicado pela Nasa.

publicidade

Segundo a agência, no teste realizado às 2h31 (horário de Brasília), o helicóptero subiu 5 metros – a mesma altitude de seu segundo voo. Entretanto, em seguida, ele disparou 50 metros adiante do ponto da decolagem, quase metade do comprimento de um campo de futebol, e atingiu uma velocidade máxima de 2 metros por segundo.

Por volta das 11h15 da manhã (horário de Brasília) deste domingo (25), os dados começaram a chegar ao controle da missão no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (JPL), confirmando que o Ingenuity havia executado a missão com sucesso.

Terceiro voo foi mais complexo

O terceiro teste foi significativamente mais complexo do que os dois voos anteriores do Ingenuity, que ocorreram na segunda (19) e na quinta-feira (22).

O histórico salto de estreia durou apenas 30 segundos, e atingiu altitude máxima de três metros, com uma movimentação apenas vertical (para cima e para baixo). Já no voo número dois, o Ingenuity permaneceu no ar por 50 segundos, com a aeronave subindo a 5 metros de altura e inclinando seus rotores em 5 graus para se mover 2 metros para o lado.

A equipe do Ingenuity tem mais duas semanas para realizar outros dois voos, e a expectativa é que cada um seja um pouco mais “ambicioso” que o outro.

As comunicações de e para o Ingenuity são retransmitidas através do rover Perseverance, da Nasa, que está servindo como um suporte chave na observação do helicóptero. Os dois robôs pousaram juntos na cratera Jezero de 45 quilômetros de Marte em 18 de fevereiro. O Ingenuity foi lançado da “barriga” do veículo espacial em 3 de abril, dando início à atual campanha de voo de um mês.

Imagem do helicóptero Ingenuity em Marte feita pelo rover Perseverance em 19 de abril de 2021
Imagem: Nasa

Leia também:

Nasa já pensa em sucessor para o Ingenuity

O sucesso do primeiro voo do Ingenuity em Marte abre as portas para o uso de aeronaves a rotor em futuras missões, seja para auxiliar no mapeamento de um terreno ou na exploração de locais inacessíveis. E a agência espacial norte-americana (Nasa) já está pensando nas possibilidades.

Uma delas é o uso de aeronaves maiores, carregando instrumentos científicos. “A dinâmica fundamental desses veículos pode chegar a tamanhos muito razoáveis, então estamos pensando em coisas na classe de 25 a 30 kg”, disse Bob Balaram, engenheiro-chefe da Ingenuity no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL) durante uma entrevista coletiva após o primeiro voo.

“O trabalho inicial de design já começou, com o design conceitual e estudo do que seria necessário para implantá-los e operá-los”, acrescentou. Balaram disse que o helicóptero que ele e sua equipe estão imaginando provavelmente carregará cerca de 4,5 kg de equipamento de pesquisa.

Mas a próxima aeronave a voar em outro planeta fará isso em um local muito distante de Marte: a missão Dragonfly enviará um drone de 3 metros de comprimento para estudar a química complexa de Titã, a lua gigante de Saturno, de perto e em detalhes.

O helicóptero deverá ser lançado em 2027 e chegar a Titã em 2036. O Dragonfly fará várias dezenas de voos pelos céus nebulosos da lua, realizando seu trabalho científico em muitos locais diferentes.

Uma vantagem do Dragonfly sobre o Ingenuity é que a atmosfera de Titã é muito mais densa do que a de Marte, então voar lá é muito mais fácil.

Fonte: Nasa

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!