Embora o número de mortes diárias por Covid-19 no país tenha recuado nas últimas duas semanas, o Brasil bateu uma triste marca: com os 195.949 óbitos contabilizados em 113 dias (de janeiro deste ano até hoje), já ultrapassamos o total de vítimas perdidas para a doença em todo 2020.

Segundo o boletim Monitora Covid, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a média de óbitos caiu de 3.101 em 11 de abril para 2.495 ontem (25), o que representa uma queda de 19,5%. Na comparação com o recorde de mortes, registrado em 12 de abril (3.124), o declínio chegou a 20,1%. Foi a maior queda desde 11 de novembro, quando a média móvel de mortes caiu 27%. Isso indica tendência de queda nos falecimentos decorrentes da doença.

publicidade
Morte por Covid-19 Imagem: Shutterstock
Com os 195.949 óbitos contabilizados em 113 dias (de janeiro deste ano até hoje), já ultrapassamos o total de vítimas perdidas para a doença em todo 2020. / Imagem: Shutterstock

Leia mais:

Apesar disso, a média ainda é 9,4% maior que a observada um mês antes (2.280). Outro apontamento é que a situação no momento é pior do que o pico de mortes do ano passado, anotado em 25 de julho. Na ocasião, houve 1.097 mortes. Na comparação dos registros deste domingo (25), a alta chega a 127,4%. Já são 95 dias seguidos com a média móvel acima da marca de mil mortes, e 40 dias acima dos 2 mil mortos por dia.

De acordo com o boletim, o número de casos da doença, considerando a média móvel de sete dias, também apresentou queda nas duas últimas semanas. Ontem houve 56.817, o que indica 20% a menos do que 14 dias antes, em que observamos 71.010 casos. Brasil já contabiliza 14.307.412 casos.

Abril é o mês mais letal da história da pandemia no Brasil

No último sábado (24), abril se tornou o mês mais letal da pandemia da Covid-19 no Brasil, com a confirmação de 67.723 mortes. A seis dias do fim do mês, foram registrados 17% dos 390.925 óbitos por Covid-19 no país. Além disso, abril é o 5° mês consecutivo em que o número de óbitos superou o do mês anterior. Em março, o total foi de 66.868.

Fontes: Valor Econômico / Agência Brasil