EnglishPortugueseSpanish

A sul-coreana Samsung, atual líder de vendas no mercado de smartphones, vai responder a um novo processo judicial. A ação, movida por proprietários insatisfeitos com a durabilidade do Galaxy S20, indica um problema relacionado ao vidro que protege o módulo de câmeras na parte traseira do aparelho. O componente está estilhaçando sem que nenhuma força extra seja aplicada ao telefone.

Os primeiros indícios do defeito, segundo o processo, ocorreram logo após o lançamento do dispositivo. O vidro, conforme o exemplo abaixo divulgado pelo site Android Police, está se quebrando espontaneamente mesmo quando os celulares são usados com capinhas e cases de proteção.

publicidade
Imagem mostra o módulo de câmera quebrado, quase inutilizando as câmeras do Galaxy S20. Imagem: Android Police/Reprodução

Embora não seja nada generalizado, a fabricante não emitiu um comunicado sobre a questão. Os seguintes modelos da lista foram afetados pelo problema:

  • Galaxy S20;
  • Galaxy S20+;
  • Galaxy S20 Ultra 5G;
  • Galaxy S20+ 5G;
  • Galaxy S20 5G;
  • Galaxy S20 Ultra/LTE;
  • Galaxy S20 FE;
  • Galaxy S20 FE 5G;

A linha S20, que antecede o atual carro-chefe da marca, desembarcou no Brasil em março do ano passado.

Violação de garantia

O escritório de advocacia responsável pelo caso (Hagens Berman) acusa a Samsung de fraude, violação de garantia e de várias leis de proteção ao consumidor.

Um embaixador da marca chegou a reconhecer o problema, alegando que a quebra teria relação com um aumento da pressão embaixo do vidro e não com o mau uso dos clientes. Ainda assim, a Samsung não emitiu um chamado de recall ou iniciou um programa de reparos.

Os clientes afirmam que a companhia continua cobrando a quantia de até US$ 400 (cerca de R$ 2.140 em conversão direta) para efetuar o reparo.

Polêmica dos carregadores

Logos de Apple e Samsung exibidos em dispositivos
Apple e Samsung serão multadas caso não coloquem os carregadores de volta na caixa dos aparelhos. Foto: nikkimeel/Shutterstock

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) quer decretar o fim da novela da falta dos carregadores na caixa dos celulares através de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). O documento foi enviado diretamente para duas gigantes do ramo: Apple e Samsung. Caso se recusem a disponibilizar o acessório, ambas poderão receber multas de até R$ 10 milhões.

Leia mais:

Vale recordar que a Apple passou a vender os seus smartphones sem o adaptador de energia desde o iPhone 12, lançado em outubro do ano passado. A Samsung acabou seguindo a mesma tendência, removendo o carregador da embalagem do Galaxy S21. No entanto, a gigante sul-coreana chegou a fazer um acordo com o Procon-SP e passou a disponibilizar o acessório para os clientes que compraram o smartphone.

Via: Android Police, Hagens Berman