Ao que tudo indica, a Stellantis está rapidamente avançando com a eletrificação de sua frota de veículos. De acordo com o CEO Carlos Tavares ao jornal francês Le Point, a montadora pretende atingir as metas de emissões estipuladas pela União Europeia em 2021 sem a ajuda dos créditos ambientais comprados da Tesla.

Formada pela junção da PSA (França) com a FCA (Itália), a Stellantis havia prometido triplicar as vendas globais de veículos elétricos em 2021. Até o fim do ano, a meta seria atingir o patamar de 400 mil carros elétricos e híbridos plug-in no mercado, quase o triplo das 139 mil unidades vendidas em 2020. 

publicidade
Stellantis
Stellantis atinge meta de emissões e não precisará mais da Tesla. Imagem: T. Schneider / Shutterstock.com

Em relação às metas de emissões, o grupo desembolsou nada menos que 2 bilhões de euros (R$ 12 bilhões) para comprar créditos ambientais de CO2 da montadora de Elon Musk no período entre 2019 e 2021. 

“Com a tecnologia elétrica que a PSA trouxe para Stellantis, atenderemos às regulamentações de emissão de dióxido de carbono já neste ano”, disse Tavares em entrevista ao Le Point. “Assim, não precisaremos recorrer a créditos europeus de CO2 e a FCA não terá mais que fazer pool (união entre empresas) com a Tesla ou qualquer outra”.

Resumidamente, o acordo batizado de ‘pooling’ só ocorre porque empresas que produzem exclusivamente carros elétricos, como é o caso da Tesla, têm cotas de créditos ambientais sobrando. Por isso, a montadora pode vendê-las para empresas que não conseguem atingir a meta de emissões de CO2 estipulada pela União Europeia.

Leia mais:

De acordo com as leis europeias, todos os fabricantes de automóveis precisam reduzir as emissões de seus veículos para uma média de 95 g / km. E mais: a Comissão Europeia planeja voltar a discutir os critérios em breve, e especula-se que a meta seja reduzida para algo em torno de 43 g / km, a partir de 2030.

Agora, a Stellantis terá que definir com a Tesla de que forma o contrato de pool será rescindido e, claro, as devidas implicações financeiras. “Como resultado da combinação de PSA e FCA, a Stellantis estará em posição de atingir as metas de CO2 na Europa para 2021, sem acordos abertos de pool de carros de passageiros com outras montadoras”, acrescentou o porta-voz da montadora em nota à Reuters.

Graças à fusão da PSA e FCA, o grupo automotivo franco-ítalo-americano é proprietário de 14 marcas, ao todo: Abarth, Alfa Romeo, Chrysler, Citroën, Dodge, DS, Fiat, Jeep, Lancia, Maserati, Opel, Peugeot, Ram e Vauxhall.

Fonte: Reuters

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!