Embora já anunciado, o próximo filme do ‘Superman’ não tem mais nada confirmado além de dois nomes: J.J. Abrams, de ‘Star Wars‘, como produtor, e Ta-Nehisi Coates, o homem por trás de ‘Pantera Negra’, como roteirista. Mas quanto ao “Homem de Aço” e o diretor do longa, tudo ainda é incerto. No entanto, o burburinho que vem crescendo pelos lotes dos estúdios da Warner Bros. é que o super-herói, pela primeira vez, poderá ser um homem negro. 

Isso porque há um pedido silencioso para que as novas produções do segmento sejam mais representativas, regra que passou a ser glorificada na indústria após o estrondoso sucesso de ‘Pantera Negra’. Entretanto, mesmo com tanto falatório, a Warner ainda não sabe o que vai fazer para preencher o uniforme do icônico super-herói: se continua apostando no talento e charme de Henry Cavill, ou se escala um ator negro.

publicidade
Calvin Ellis, o Superman negro da realidade alternativa da DC
Calvin Ellis, o Superman negro da realidade alternativa da DC. Créditos da imagem: Divulgação/DC

Outro ponto crucial que cabe ao estúdio escolher será o ocupante da cadeira de diretor. Existem alguns nomes que são possibilidades, cuja aprovação dependerá do aval de Abrams, mas, ainda, não passam de mera especulação.

Os premiados Barry Jenkins e Ryan Coogler podem encabeçar facilmente a lista. Em teoria, Ryan, de ‘Pantera Negra’, é o nome mais coerente. No entanto, o diretor segue ocupado até, pelo menos, 2022 preparando a sequência do seu blockbuster, ‘Wakanda Forever’, que contará com algumas imagens de seu falecido astro, o ator Chadwick Boseman.

Leia mais

Já Barry, conhecido por seu trabalho nos indies ‘12 Anos de Escravidão’, que venceu o Oscar de melhor filme em 2014, e ‘Se a Rua Beale Falasse’, é uma bela alternativa para bater de frente com a estratégia da concorrente, da Marvel, de escalar diretores aclamados para seus longas, cuja atual promessa na bilheteria, o esperado ‘Os Eternos’, ficou nas mãos da recém-oscarizada Chloé Zhao.

Outras alternativas viáveis

Além de Barry e Ryan, existem alternativas viáveis que poderiam facilmente andar em conjunto a decisão de trazer um Superman negro aos cinemas.

Daniel Kaluuya em Judas e o Messias Negro
Daniel Kaluuya em ‘Judas e o Messias Negro’, papel que lhe render um Oscar de melhor ator coadjuvante neste ano. Créditos: Divulgação/Warner

A primeira delas, e mais óbvia, é Shaka King. O diretor de ‘Judas e o Messias Negro’ acabou de render à Warner uma indicação na categoria de melhor filme pela produção.

A segunda aposta seria a atriz Regina King, premiada pela série ‘Watchmen’, outra adaptação de quadrinhos da casa. Vencedora do Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2019, por ‘Se a Rua Beale Falasse’, a atriz teve o nome muito mencionado nesta última temporada de prêmios com a sua estreia na direção pelo filme da ‘Uma Noite em Miami’, do Prime Video.

Superman negro: quem deverá vestir a capa? 

Agora, o ponto mais importante a ser visto pela Warner é a escolha do ator principal.

Não é necessariamente obrigado que o primeiro Superman negro venha a ser um astro conhecido. Afinal de contas, nem Brandon Ruth e até mesmo Henry Cavill, eram nomes consolidados na indústria quando deram vida à Clark Kent. Mas, caso a Warner se interessa em alguém da “Lista A” de Hollywood, existem outros talentos que podem dar vida a esta versão reboot. Alguém no patamar de Michael B. Jordan, por exemplo.

michael b jordan

Aliás, falando no protagonista de ‘Creed: Nascido para Lutar’, o ator já tirou o seu nome da corrida. Enquanto divulgava o seu novo filme pela Prime Video, ‘Sem Remorso’, o ator, educadamente, deu fim aos rumores envolvendo o seu nome. “Estou muito lisonjeado que as pessoas me inseriram nesse debate. Definitivamente é um grande elogio, mas, desta vez, eu só vou assistir ao filme”, contou ao The Hollywood Reporter

O futuro da DC com a Warner

De qualquer forma, esses rumores apontam para o que deve ser o caminho seguido pelo estúdio: diversidade e representação.

Atualmente, no Universo DC, a Warner está preparando um filme sobre o herói latino Besouro Azul, com Angel Manuel Soto na direção. Já na HBO Max, o primeiro Lanterna Verde gay foi anunciado. E finalizando o Arrowverse, da CW, emissora de televisão aberta pertencente ao grupo, a diretora Ava DuVernay vai produzir ‘Naomi’, sua segunda série com uma heroína negra.

Agora, só nos resta esperar para o desenrolar oficial da capa.

Via: The Hollywood Reporter