Desde o começo da vacinação contra a Covid-19 a orientação é de sempre tomar as duas doses de um mesmo imunizante. No entanto, com a falta de alguns produtos, começaram a surgir questionamentos se a imunização funcionaria mesmo que fossem aplicadas duas vacinas diferentes. Agora, um estudo do Oxford Vaccine Group indica que misturar doses da Pfizer e da AstraZeneca pode causar mais efeitos colaterais.

Nada grave foi registrado, os efeitos causados pela mistura foram leves, como dor de cabeça, calafrios e dores musculares. Isso também pode acontecer com a vacinação comum, mas os pesquisadores identificaram uma incidência maior quando as doses são misturadas. E, apesar de não ter ocorrido nenhum caso grave por conta disso, a recomendação é não usar vacinas diferentes.

publicidade

Misturar doses diferentes de vacinas

A intenção original da pesquisa iniciada em fevereiro era entender como ficava a imunização de uma pessoa vacinada com dois produtos diferentes. Os testes foram feitos justamente para situações onde ocorresse a falta de um imunizante específico.

10% das pessoas que receberam as doses da AstraZeneca com intervalo de quatro semanas tiveram febre. Mas, do grupo que misturou doses da vacina com a da Pfizer, 34% relataram os sintomas. “As mesmas diferenças reais se aplicam a outros sintomas, como calafrios, fadiga, dor de cabeça, mal-estar e dores musculares”, disse o chefe da pesquisa.

Leia também:

“É uma descoberta realmente intrigante e não algo que estávamos necessariamente esperando”, explicou o professor Matthew Snape, que faz parte do estudo. Até o momento, ainda não houve uma conclusão sobre a eficácia da imunidade de vacinas diferentes.

Alguns países da Europa já estão aplicando doses diferentes em pessoas que receberam a primeira dose da AstraZeneca após registros de casos raros de coágulos sanguíneos. O estudo do Oxford Vaccine Group deve ter os primeiros resultados publicados em junho.

“Isso está nos mostrando que você não gostaria misturar doses de vacinas diferentes na hora de vacinar”, finalizou o chefe do estudo.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!