Por mais que não existam medicamentos aprovados para tratar a doença hepática gordurosa não alcoólica, é uma preocupação controlar o açúcar no sangue ao longo do tempo para ajudar a diminuir o risco de cicatrizes hepáticas e de progressão da doença durante a vida.

De acordo com o estudo realizado por pesquisadores da Duke Health, os níveis médios de glicose no sangue de três meses de pacientes com doença hepática gordurosa não alcoólica influenciam a chance de cicatrizes mais graves no fígado.

publicidade

A autora do estudo, a endocrinologista da Duke Health, Anastasia-Stefania Alexopoulo disse que doenças hepáticas graves relacionadas ao fígado gorduroso estão aumentando.

“Está se tornando uma das principais causas de transplantes e mortalidade hepática”, disse Alexopoulos. O estudo foi publicado na revista Hepatology e examinou os níveis de glicose documentados de 713 pacientes adultos com doença hepática gordurosa antes de uma biópsia do fígado.

“Não temos nenhum tratamento eficaz aprovado pela FDA, então o que realmente importa é encontrar outras coisas que possamos fazer para ajudar a reduzir o risco de doença hepática gordurosa progredir para resultados realmente ruins”, explicou ela.

Leia mais:

A equipe descobriu que níveis médios de glicose no sangue mais elevados estavam associados a inchaço das células do fígado. Para se ter uma noção, a cada aumento de 1 ponto percentual na hemoglobina HbA1c (uma medida dos níveis médios de glicose) no ano anterior à biópsia, as chances de fibrose grave aumentaram em 15%.

Além disso, os pesquisadores concluíram que aqueles com controle moderado da glicose por um período de cinco anos, em vez de um bom controle, tinham na verdade um inchaço mais grave das células do fígado e uma probabilidade maior de apresentar cicatrizes avançadas no fígado.

Alexopoulos relevou que essas descobertas são particularmente significativas para pacientes com diabetes porque uma porção significativa dessa população de pacientes também tem doença hepática gordurosa não alcoólica: “O que eu realmente espero é que mais pessoas que tratam do diabetes conheçam o fígado gorduroso.”

Essas descobertas podem levar os médicos a reconsiderar sua abordagem de tratamento do diabetes para prescrever medicamentos que são conhecidos por melhorar o controle da glicose e promover a perda de peso.

“Muitas vezes, no diabetes, pensamos em doenças cardíacas, pressão alta , colesterol, estamos pensando em todas essas complicações”, finalizou Alexopoulos.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!