Cientistas afirmam em estudo que algo entre 20% e 25% dos gases do efeito estufa são provenientes do chamado “pum de árvore”. O termo é usado em ambientes científicos para designar gases emitidos por árvores e plantas mortas em regiões pantanosas e “brejos”.

O estudo, publicado no site Biogeochemistry, ressalta que isso não vem de qualquer árvore, ou mesmo qualquer região. Especificamente, ele se refere a árvores em regiões costeiras que morreram envenenadas pelo avanço de águas salgadas, que tornaram uma determinada região não só pantanosa, mas altamente salinizada, transformando-as em “florestas fantasmas”.

publicidade

Leia também

Avanço da água do mar sobre árvores costeiras faz com que elas morram por envenenamento de sal, liberando mais gases do efeito estufa na atmosfera. Imagem: Scott Biales DitchTheMap/Shutterstock

Tais árvores tornam-se esqueléticas e definham, liberando uma quantidade mais alta que o comum de dióxido de carbono – um gás que contribui para a piora do efeito estufa na atmosfera e, consequentemente, torna o “pum de árvore” uma ferramenta de avanço do aquecimento global.

O estudo ainda ressalta que a situação pode piorar. Ainda que esse volume seja facilmente ignorável frente a outras fontes de gás – motores de carros, uso de combustíveis fósseis, emissões decorrentes do mercado agropecuário, por exemplo -, os pesquisadores lembram que o mar não parou de avançar. Ano após ano, a água salgada fecha o cerco em florestas, tornando-as salinizadas e matando as árvores locais por envenenamento de sal, resultando em mais gases liberados por elas em seu momento de morte.

De acordo com Melinda Martinez, líder da pesquisa e graduanda da Universidade da Carolina do Sul, foram avaliados cadáveres secos de pinheiros e árvores ciprestes em cinco “florestas fantasmas” na Península Albemarle-Pamlico, no estado americano: “Mesmo que essas árvores mortas ainda em pé não emitam tanto [gás] quanto aquelas enraizadas, elas ainda emitem algo”, ela disse. “Mesmo o menor ‘punzinho’ conta”.

A importância desse monitoramento vem do fato de que as florestas fantasmas estão aumentando de tamanho ao longo da costa norte-americana, com pontos extensos identificados entre os estados da Louisiana e Maryland – uma distância aproximada de dois mil quilômetros.

Mais além, o avanço do mar não é o único risco, já que estruturas de canalização da água salgada – amplamente usadas na agricultura – podem conter vazamentos que a distribuem em florestas costeiras. E isso traz um efeito negativo na flora e fauna local: arbustos e plantas rasteiras resistentes ao sal estão tomando o lugar da vegetação nativa, colocando em perigo algumas espécies de pássaros, como o pica-pau; e até animais carnívoros, como alguns tipos de lobo.

“É uma pergunta difícil de responder porque cadáveres [de árvores] podem virar habitat para outros animais”, disse Martinez. “Nós esperamos ter uma ideia melhor de como gases do efeito estufa mudam conforme as árvores morrem e também obter melhores estimativas de emissões vindas de árvores vivas”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!